Cinegrafista russo morre no leste da Ucrânia

O cinegrafista de uma emissora de televisão russa morreu no leste da Ucrânia quando o ônibus no qual ele estava foi alvo de disparos, informou a rede para a qual ele trabalhava. Apesar do cessar-fogo, que deve terminar nesta segunda-feira, os confrontos entre forças do governo e rebeldes pró-Rússia continuavam na região.

Agência Estado

30 de junho de 2014 | 10h17

O Ministério de Relações Exteriores da Rússia responsabiliza as forças ucranianas pela morte de Anatoly Klyan, de 68 anos, funcionário da emissora estatal russa Perviy Kanal (Channel One), afirmando que elas não estão adotando medidas para conter o conflito armado. De acordo com a emissora, ele estava num ônibus que levava mães de soldados ucranianos para uma base do Exército. Elas iriam pedir que seus filhos fossem liberados de suas funções.

Kiev não respondeu à afirmação do Ministério, mas disse que militantes que controlam grandes partes do leste do país haviam atacado uma série de postos de verificação durante a noite. Os dois lados se acusam mutuamente de instigar a violência na região ucraniana.

Nesta segunda-feira, o presidente ucraniano Petro Poroshenko vai conversar com seu homólogo russo Vladimir Putin e com líderes da Alemanha e da França antes do fim do cessar-fogo, marcado para as 22h de hoje (horário local).

Em conversa por telefone ocorrida no domingo, o presidente francês François Hollande e a chanceler alemã Angela Merkel pressionaram os presidentes russo e ucraniano a encontrar uma forma de verificar o cessar-fogo, restaurar o controle ucraniano na fronteira, libertar os reféns e negociar o plano de paz apresentado por Poroshenko, segundo comunicado divulgado pelo escritório de Hollande. A Rússia indicou que quer uma extensão do cessar-fogo.

As conversas levaram a pouco progresso até agora. No domingo, manifestantes em Kiev pediram a Poroshenko que adote medidas militares mais decisivas. As tropas ucranianas receberam ordens de só atirar se forem atacadas.

As Forças Armadas russas começaram um teste de grande escala de suas forças aéreas e de defesa aérea, informou a agência de notícias Interfax, citando um comunicado do Exército. Os exercícios já estavam previstos e acontecem nas regiões central e noroeste da Rússia, afirmou a agência.

Klyan morreu em decorrência de ferimentos de arma de fogo depois de o ônibus ter sido alvo de disparos nas proximidades da vila de Avdiyivka, quando o veículo se aproximava de uma base militar, informou o Channel One.

O ministério de Relações Exteriores da Rússia pediu uma "investigação objetiva" e responsabilizou as forças ucranianas pela morte do cinegrafista. Segundo o Ministério, a Ucrânia "claramente não quer reduzir a intensidade do conflito armado no leste do país". Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Ucrâniacinegrafistarussomorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.