Edgar Su/Reuters
Edgar Su/Reuters

Cingapura inicia vacinação nesta quarta-feira para profissionais da saúde

Com uma das taxas de mortalidade de covid-19 mais baixas do mundo, é o primeiro país asiático a aprovar a imunização da Pfizer/BioNTech

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2020 | 10h05

CINGAPURA - Cingapura começou a vacinar profissionais dos serviços de saúde com a vacina da Pfizer/BioNTech nesta quarta-feira, 30, dando início a um dos primeiros programas de imunização da Ásia contra uma pandemia que matou mais de 1,7 milhão de pessoas no mundo todo. 

Sarah Lim, uma enfermeira de 46 anos, e o médico infectologista Kalisvar Marimuthu, de 43 anos, estavam entre os mais de 30 funcionários do Centro Nacional de Doenças Infecciosas que foram vacinados, disse o Ministério da Saúde do país. Um levantamento do Estadão com base nas agências de notícias Reuters, EFE, AP e AFP, além de veículos regionais, mostrou que Cingapura é o 48º país a iniciar a vacinação. 

Eles vão voltar retornar para tomar a segunda dose da vacina em 20 de janeiro. "As vacinas já conseguiram derrubar as pandemias antes. Portanto, tenho esperança de que esta vacina faça o mesmo", disse Marimuthu em comentários gravados fornecidos pelo órgão de saúde ministério.

Cingapura é o primeiro país da Ásia a aprovar a vacina da Pfizer/BioNTech. Ela também assinou acordos de compra antecipada e fez pagamentos antecipados de várias outras vacinas candidatas, incluindo aquelas que estão sendo desenvolvidas pela Moderna e Sinovac. O país espera ter doses de vacina suficientes para todas as 5,7 milhões de pessoas até o terceiro trimestre de 2021. 

Para mostrar que a vacina é segura, o primeiro-ministro Lee Hsien Loong, de 68 anos, disse que ele e seus colegas estariam entre os primeiros a tomar as vacinas. O governo está encorajando todos os residentes clinicamente qualificados a tomarem o imunizante. 

As vacinações iniciadas nesta quarta-feira marcam "um novo capítulo em nossa luta contra a pandemia", disse Lee em um post no Facebook. "A vacina é a chave para viver em um mundo com a covid-19, mas ainda vai demorar algum tempo antes que essa tempestade passe", finalizou

Seguro e eficaz

Cingapura espera completar a cobertura de vacinação até o fim do próximo ano, disse o ministro da saúde Gan Kim Yong. “Nossa prioridade nos próximos meses é garantir que as vacinas que usamos sejam seguras e eficazes, e podemos implantar este programa para toda a população de maneira harmoniosa e ordenada”, disse ele. 

Cingapura agiu rapidamente depois que os primeiros casos do vírus foram relatados e, embora tenha sido pego de surpresa por dezenas de milhares de infecções em dormitórios de trabalhadores migrantes, relatou apenas alguns novos casos locais nos últimos meses. 

No total, apenas 29 pessoas morreram em Cingapura de covid-19, uma das taxas de mortalidade mais baixas do mundo. Isso levou alguns residentes a questionar se precisam receber a vacina. 

Embora Yong tenha reconhecido as preocupações dos moradores locais sobre o desconhecido de uma nova vacina, ele disse que ela atendeu a todos os requisitos de segurança e eficácia com base nos dados atuais e que as autoridades continuariam com o monitoramento. /Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.