Cinza de vulcão chileno volta a cancelar voos na Argentina

Pequenas nuvens de cinzas do Puyehue foram detectadas sobre Buenos Aires

Efe

09 de junho de 2011 | 10h43

Homem limpa cinzas e neve acumuladas em estrada próxima aos Andes

 

BUENOS AIRES - Como medida de prevenção de acidentes aéreos, todos os voos voltaram a ser cancelados nesta quinta-feira, 9, na Argentina por causa da disseminação das cinzas do vulcão chileno Puyehue, que entrou em atividade no sábado, informaram fontes oficiais.

 

As estatais Aerolíneas Argentinas e a Austral, que na quarta-feira haviam decidido manterem os cancelados restritos ao sul do país, paralisaram os demais, da mesma forma que a chilena Lan e outras companhias que operam em Buenos Aires.

 

A medida foi tomada ao serem detectadas tênues nuvens de cinzas do Puyehue sobre Buenos Aires e sua Região Metropolitana empurradas por ventos de sudoeste, a partir do vulcão situado na Cordilheira dos Andes, a cadeia de montanhas que separa os territórios da Argentina e do Chile, relataram porta-vozes do comitê de crise da Secretaria de Transportes.

 

Nas próximas horas, a comissão voltará a reunir-se para avaliar a situação com o objetivo de normalizar paulatinamente os voos, com exceção dos que permanecem cancelados ao sul, indicaram.

 

Aerolíneas Argentinas e Austral informaram que na próxima segunda-feira preveem retomar seus serviços a Bariloche e outros dois destinos turísticos da Patagônia argentina vizinhos ao vulcão.

 

Por meio de um comunicado na véspera, as companhias indicaram que nesta sexta-feira preveem retomar os voos para 11 cidades do oeste e do sul do país também afetadas pelas cinzas do Puyehue, situado a 1,8 mil quilômetros de Buenos Aires.

 

As nuvens de cinzas expulsas pelo vulcão chileno foram disseminadas pelos ventos em direção a dez das 23 províncias argentinas e na terça-feira chegaram pela primeira vez a Buenos Aires e sua Região Metropolitana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.