Cinzas de vulcão afetam jato de combate da Otan

Um acúmulo de vidro foi encontrado em um jato de combate da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na Europa. A descoberta se relaciona às cinzas expelidas por um vulcão na Islândia, pois as cinzas podem se transformar em vidro quando entram em contato com temperaturas altas, como como nas turbinas. "Caças F-16 aliados estavam voando e eles encontraram acúmulo de vidro dentro das turbinas", afirmou hoje um graduado militar norte-americano em Bruxelas. "Eu acho que há uma razão para o fechamento do espaço aéreo", disse.

AE, Agência Estado

19 de abril de 2010 | 18h04

O oficial disse também que alguns exercícios militares nos Estados Unidos foram reduzidos enquanto os impacto real das cinzas vulcânicas sobre os equipamentos é estudado. "Este é um assunto muito sério e que, num futuro não muito distante, vai começar a ter impacto real nas habilidades militares."

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, ficou preso na Dinamarca no final de semana por causa da suspensão do tráfego aéreo causado pelo vulcão. O comitê militar da aliança cancelou uma viagem a Kosovo que deveria acontecer nesta segunda-feira. "Havia dúvidas sobre se conseguiríamos retornar", disse um porta-voz do comitê militar, que abrange autoridades dos 28 países-membros. A erupção também deixou em dúvida se uma reunião de ministros de Relações Exteriores da Otan, marcada para quinta-feira em Tallinn, na Estônia, será realizada.

Mais cuidado

Em meio aos crescentes pedidos das empresas aéreas da Europa pela reabertura do espaço aéreo, líderes sindicais da categoria pediram que o processo seja feito com mais calma e com mais dados científicos. Segundo reivindicou Georg Fongern, vice-presidente da Federação Internacional de Associações de Pilotos de Linhas Aéreas, são essenciais análises de reguladores e fabricantes de turbinas antes de tomar a decisão de voar para áreas afetadas por cinzas da erupção vulcânica. Até que os dados sejam reunidos, seria "melhor ficar no chão", disse ele.

Fongern disse também que os pilotos ainda não sabem "quanto é a concentração máxima" de cinzas vulcânicas em meio à qual eles podem voar em segurança e que o estabelecimento desses limites é "responsabilidade de agências reguladoras e governos".

Autoridades da União Europeia realizaram uma videoconferência para tentar estabelecer uma resposta unificada à nuvem de cinzas produzida pela erupção na Islândia que, desde quinta-feira, fecha a maior parte do espaço aéreo da União Europeia (UE). Um grupo de especialistas técnicos realizou a teleconferência na manhã desta segunda-feira e fez recomendações para o transporte de ministros dos 27 membros da UE.

Segundo uma fonte familiar às decisões, os especialistas recomendaram uma reabertura seletiva do espaço aéreo europeu a partir da manhã desta terça-feira, se as condições permitirem. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IslândiavulcãocinzasjatoOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.