Cinzas de vulcão cobrem a capital do Equador

Uma camada de cinzas expelida pelo vulcão Reyentador cobriu a cidade de Quito, capital doEquador. A atividade vulcânica, que pegou o país de surpresa, começou fraca na manhã deste domingo e se intensificou ao longo dia. A população evitou as ruas e muitos usavam máscaras.Por causa do excesso de lodo formado pelas cinzas e pela chuva que se acumulou nas vias públicas, tornando-as escorregadias, o transporte coletivo foi reduzido, o Aeroporto de Quito permanecefechado desde a manhã e as estradas estão bloqueadas.Falta energia em alguns pontos da cidade e as aulas escolares desta segunda-feira foram suspensas. Nas rádios e nas TVs, asautoridades pedem tranqüilidade à população.Durante toda a semana passada até este sábado, a capital equatoriana hospedou ministros e vice-ministros de Comércio e de Relações Exteriores que participaram da VII Reunião Ministerialda Área de Livre Comércio das Américas (Alca).As autoridades e equipes que viajariam neste domingo de volta a seus países de origem não puderam deixar o País. No aeroporto, não háinformações sobre quando os vôos serão retomados. As cinzas apresentam riscos para o funcionamento das turbinas e para as decolagens. A pista está extremamente escorregadia. O vulcão Reyentador está localizado a cerca de 100 quilômetros ao norte da capital, e, de acordo com as autoridades locais, apesar da repentina atividade vulcânica, não há riscos de a lavachegar a Quito, que abriga dois milhões de habitantes.A última vez que o Reyentador expeliu cinzas foi na década de 70.Nas áreas mais próximas ao Reyentador, segundo o depoimento de moradores, sente-se um forte cheiro de enxofre. O vulcão está expelindo lava, mas não atingiu as vilas. As comunicações, aeletricidade e o fornecimento de água estão interrompidos na região do Reyentador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.