Cinzas de vulcão da Islândia devem se mover para o Ártico, diz OMM

Deslocamento melhoraria situação de aeroportos europeus, que já vivem seis dias de caos

Agência Estado e Associated Press

20 de abril de 2010 | 14h46

GENEBRA - A cinza vulcânica lançada da Islândia deve mudar de direção e se mover para o Ártico quando o vento mudar, no fim desta semana, previu nesta terça-feira, 20, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), órgão da ONU.

 

Veja também:

blog Conte sua história sobre o caos nos aeroportos

linkSistema ferroviário europeu precisa de melhoras

linkSaiba quais são os direitos dos passageiros

linkMudança no tempo no empurrará nuvem ao Ártico

linkAumento da atividade do vulcão causa incerteza

mais imagens Veja imagens do vulcão Eyjafjallajoekull

"O atual sistema de alta pressão com ventos fracos e ar descendendo lentamente no centro de alta pressão atmosférica não ajuda muito a dispersar a nuvem de cinza", observou a agência das Nações Unidas em comunicado. "Esta situação deve mudar mais para o fim da semana, quando um sistema de baixa pressão mais forte deve se desenvolver sobre a Islândia."

 

"Do ponto de vista meteorológico, (para) a segunda parte da semana, mais para o fim de semana, todas as indicações são muito positivas", disse Herbert Puempel, meteorologista da OMM em uma conferência de imprensa após o encontro entre os cientistas. "A atual situação tem muitos sinais positivos para o próximo fim de semana", afirmou.

 

A agência explica que essa mudança alterará também a direção dos ventos, levando as cinzas para o Ártico. Além disso, esse sistema de baixa pressão resultará em uma espécie de ''lavagem'' nas cinzas que estão em níveis mais baixos.

 

A nuvem de cinzas tem atrapalhado o sistema aéreo em boa parte da Europa desde a quinta-feira, um dia depois de o Eyjafjallajoekull iniciar as atividades vulcânicas. Até o final desta terça, estima-se que até 95 mil voos terão sido cancelados por conta das cinzas. O Conselho Internacional de Aeroportos da Europa (ACI na sigla em inglês), indicou anteriormente que mais de 6,8 milhões de passageiros foram afetados pela paralisação das atividades aéreas na Europa.

 

Melhoras

 

A perspectiva é de que a situação do tráfego aéreo europeu melhor com a dissipação da nuvem de cinzas. Nesta terça-feira, a previsão era de que 50% dos voos agendados seriam realizados.

 

Parte dessa estatística se deve à decisão da Comissão de Transportes da União Europeia, que reduziram as restrições de voos após sofrer grandes pressões dos aeroportos e companhias aéreas para permitir o tráfego de aviões nas regiões onde a nuvem de cinzas não se apresentava com grande intensidade.

 

A gradual reabertura dos aeroportos, porém, pode estar ameaçada. Embora as autoridades islandesas tenham anunciado uma diminuição nas atividades vulcânicas do Eyjafjallajoekull, mais cinzas foram expelidas, formando uma nova nuvem que viaja em direção ao território britânico.

 

"A erupção vulcânica na Islândia se fortaleceu, e uma nova nuvem de cinzas está se espalhando para o sul e o leste, na direção do Reino Unido," disse a nota do Serviço Nacional do Tráfego Aéreo britânico no início da manhã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.