Cinzas de vulcão voltam a causar transtorno em seis países

Além de cancelar voos no Cone Sul, cinzas cruzaram o Pacífico e afetaram Austrália e Nova Zelândia

Marcia Carmo, BBC

13 de junho de 2011 | 04h57

Milhares de pessoas aguardam seus voos no aerorporto de Melbourne, na Austrália

     

 

 

As cinzas do vulcão Puyehue, no Chile, voltaram a afetar o espaço aéreo sul-americano e agora já afetam pelo menos seis países, incluindo os dois principais da Oceania, Austrália e Nova Zelândia.

No domingo, as companhias aéreas que operam voos para os aeroportos da capital argentina, Ezeiza e Jorge Newbery (Aeroparque) - entre elas a TAM, a GOL, a LAN e a Aerolíneas Argentinas - suspenderem voos entre a noite de domingo e até pelo menos 14h desta segunda-feira.

Os cancelamentos foram efetuados depois que a Administração Nacional de Aviação Civil (Anac) emitiu comunicado limitando as operações aéreas na Argentina, a partir de informações do Serviço de Meteorologia Nacional (SMN) sobre as condições meteorológicas no centro do país.

Os tormentos causados pela erupção do vulcão chileno não se limitaram ao Cone Sul. No domingo, a empresa australiana Qantas cancelou todos os seus voos tendo como origem ou destino a cidade de Melbourne, afirmando que as cinzas do Puyehue cruzaram o Oceano Pacífico e chegaram à Oceania.

Outras companhias aéreas, como Virgin Atlantic e Jetstar, também interromperam pousos e decolagens na região, deixando milhares de passageiros sem alternativas para viajar. Oito mil pessoas foram afetadas pelo cancelamento, inclusive passageiros para a Nova Zelândia.

O Chile está a mais de 9 mil quilômetros dos dois países afetados.

Transtorno

Na Argentina, muitos passageiros foram pegos de surpresa pela notícia do cancelamento dos voos, pois já estavam no aeroporto quando surgiu a informação do retorno dos resíduos vulcânicos e de suas consequências sobre o setor aéreo.

"Eu viajaria para visitar minha namorada que faz aniversário hoje", disse um argentino que estava no Aeroparque e foi entrevistado por TVs locais.

O vulcão do complexo Puyehue-Cordón Caulle, no sul do Chile, entrou em erupção no dia 4 de junho e afetou, na semana passada, as operações nos principais aeroportos da Argentina, Uruguai, Paraguai e sul do Brasil.

Os voos para as principais cidades da Patagônia argentina continuam suspensos, por orientação da Anac. Cidades da Patagônia, como Bariloche, na província de Rio Negro, e Villa Angostura, na província de Neuquén, são algumas das mais afetadas pelo fenômeno natural.

O governo de Neuquén declarou emergência agropecuária, já que gado, cavalos e ovelhas não podem se alimentar porque as cinzas cobriram o pasto. Com a emergência, é mantida a ajuda federal na região.

De acordo com o secretário executivo de Emergência e Desastre agropecuário da Argentina, Haroldo Lebed, o governo deve declarar nesta segunda-feira emergência nacional para que os produtores rurais de toda a Patagônia afetados pelo desastre natural sejam socorridos com recursos federais.

No fim de semana, uma avalanche de cinzas interrompeu o trânsito num dos principais acessos à fronteira entre Argentina e Chile, conhecida como Cardenal Samoré.

Geólogos chilenos afirmaram ao jornal La Tercera que o vulcão Puyehue continua em erupção e é imprevisível dizer quando vai parar de emitir cinzas.

Na sexta-feira, o SMN da Argentina informou que as cinzas tinham deixado o Cone Sul e estavam sendo levadas por ventos para o Oceano Atlântico. As decolagens e aterrissagens voltaram a ser realizadas no sábado e no domingo até o fim da tarde.

A previsão dos especialistas argentinos era que os ventos mantivessem as cinzas afastadas da região até quarta-feira. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.