Cinzas do vulcão causam prejuízos milionários na Argentina

Estudo se refere apenas ao Rio Negro, dedicado à criação de gado ovino e à produção de frutas, que é a província argentina que foi mais afetada, cerca de 3,9 milhões de hectares

Efe,

28 de junho de 2011 | 01h10

BUENOS AIRES - O Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA) da Argentina calculou um prejuízo de US$ 24,2 milhões para o setor agrícola da província de Rio Negro causado pela queda das cinzas do complexo vulcânico chileno Puyehue-Cordón Caulle.

 

Segundo o relatório oficial, "só para a produção de lã, as perdas chegaram a US$ 3,8 milhões na região". Além de causar mortandade de animais e de derrubar os índices produtivos.

 

O estudo se refere apenas ao Rio Negro, dedicado majoritariamente à criação de gado ovino e à produção de frutas, que é a província argentina que foi mais afetada pela queda de cinzas, cerca de 3,9 milhões de hectares.

 

Nessa região afetada se concentram 1,4 mil produtores - 82% de pequena escala -, proprietários de 723 mil cabeças ovinas, 28,5 mil cabeças bovinas e 77,7 mil cabeças caprinas, segundo o relatório. Outras províncias sofreram perdas no setor turístico.

 

O complexo vulcânico chileno Puyehue-Cordón Caulle entrou em erupção no dia 4 de junho e gerou uma nuvem de cinza que, inclusive, afetou o tráfego aéreo na Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil, assim como na Austrália e Nova Zelândia.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentina, Chile, vulcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.