Cinzas do vulcão chileno voltam a afetar voos na Argentina

Todos os voos com destino ao Jorge Newbery, em Buenos Aires, foram cancelado

Efe

07 de julho de 2011 | 10h42

BUENOS AIRES - Várias companhias aéreas adiaram nesta quinta-feira, 7, suas operações nos aeroportos Jorge Newbery, em Buenos Aires, e de Ezeiza, na periferia da capital argentina, pelas nuvens de cinzas do complexo vulcânico chileno Puyehue Cordón-Caulle.

 

Até segunda ordem foram cancelados todos os voos com destino ao Jorge Newbery, dedicado a operações internas e regionais, afetando a chilena LAN e as estatais Aerolíneas Argentinas e Austral, de acordo com informações de porta-vozes das empresas aéreas.

 

As fontes disseram que as operações serão reprogramadas em função da eliminação dos riscos de acidentes.

 

O mesmo aconteceu no aeroporto internacional de Ezeiza, a 35 quilômetros de Buenos Aires, onde sete companhias aéreas adiaram suas operações de chegada e partida do país. A Air France avisou que desviou seus voos a Buenos Aires para o aeroporto de São Paulo até que melhorem as condições de segurança.

 

Na madrugada desta quinta-feira, começaram a chegar a Buenos Aires tênues nuvens de cinzas do Puyehue-Cordón Caulle trazidas pelos ventos do sudoeste, desde a área do complexo vulcânico situado a 1,7 mil quilômetros, na Cordilheira dos Andes, marco fronteiriço entre Argentina e Chile.

 

A disseminação de cinzas afeta o tráfego aéreo na Argentina desde o início de junho, quando o vulcão chileno entrou em atividade.

 

O fenômeno causou milionárias perdas no setor agropecuário e turístico de províncias da Patagônia, cujas autoridades declararam emergência econômica nas zonas mais afetadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.