Cinzas provocam cancelamentos de voos na Austrália

O impacto no setor de transporte aéreo da Austrália, provocado por uma nuvem de cinzas geradas por um vulcão chileno, se intensificou hoje, com companhias cancelando voos por todo o país e afetando os planos de viagem milhares de pessoas.

AE, Agência Estado

21 de junho de 2011 | 11h05

A Qantas Airways informou que as suspensões recomeçaram na tarde de hoje (horário local), em voos partindo de e chegando a Sydney. Há também problemas em alguns dos voos em Melbourne e outros destinos, impactando no total cerca de 20 mil passageiros.

A companhia também cancelou voos em Sydney e Melbourne marcados para amanhã. A concorrente Virgin Australia tomou medidas similares. Algumas das rotas para Camberra, Perth, Adelaide, Tasmânia e a Nova Zelândia também foram canceladas.

"Este tem sido um impacto significativo para o grupo Qantas", disse Olivia Wirth, uma porta-voz da companhia. A funcionária não quis estimar o tamanho do prejuízo. "Nós esperamos mais atrasos para as próximas 24 a 48 horas", adiantou.

Os voos na Austrália e na Nova Zelândia foram afetados durante seis dias, na semana passada, quando a coluna de cinzas lançada pelo vulcão chileno Puyehue chegou à região. O mesmo problema voltou a ocorrer na Austrália agora.

Os cancelamentos são um revés para uma indústria que já sofre com a alta no custo dos combustíveis e o impacto das enchentes no Estado australiano de Queensland, além dos problemas gerados por um terremoto e um tsunami no Japão, ocorridos em 11 de março.

Analistas preveem que os lucros das companhias serão afetados, porém o impacto preciso dependerá de quantos passageiros cancelarão seus voos e quantos remarcarão, do tamanho da conta dos hotéis para os passageiros que não conseguirem viajar e de fatores como uma possível economia de combustível, com voos mais cheios assim que as operações voltarem ao normal.

Na última quarta-feira, o JPMorgan reduziu sua previsão anual de lucro da Qantas para 1,5%, para refletir as perdas iniciais com o impacto da nuvem de cinzas. A porta-voz da empresa disse que não está claro quando será possível retomar as operações normais.

Meteorologistas do governo australiano esperam que os problemas no setor aéreo terminem amanhã à noite, disse Andrew Tupper, diretor do Centro de Alerta para Cinza Vulcânica, em Darwin.

O ministro dos Transportes da Austrália, Anthony Albanese, disse que o alerta para voos no país deve valer para Sydney e Camberra por entre 36 e 48 horas, a partir desta tarde. Já em Melbourne o problema pode seguir por mais 24 horas.

O vulcão continua em erupção, porém as colunas mais recentes de cinzas não têm altura suficiente para afetar as aeronaves. A cinza vulcânica é abrasiva e pode danificar os motores das aeronaves. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.