Cinzas vulcânicas se espalham sobre o Equador

O vulcão Reventador, que entrou em erupção no domingo, continuava nesta segunda-feira em atividade, lançando uma coluna de cinzas que se espalha por várias regiões que ainda não haviam sido atingidas, segundo vulcanólogos e informações da imprensa. O Reventador está situado em uma zona silvestre desabitada, e não há informações imediatas sobre possíveis vítimas, mas cerca de 3.000 residentes próximos da área fugiram. A Cruz Vermelha informou que os telhados de pelo menos quatro casas de camponeses ruíram, devido ao peso da cinza acumulada. Nuvens de cinza avançaram de leste a oeste em uma faixa estimada em 200 km de comprimento por 100 km de largura, atingindo a capital, Quito, no centro, e alastrando-se aos poucos por cidades, povoados e vales, que ficaram cobertos por um manto de pó vulcânico esbranquiçado. "O processo eruptivo pode durar semanas", disse à imprensa o diretor do Instituto Geofísico, Hugo Yépez. O vulcão, de 3.562 metros de altura em relação ao nível do mar e que fica a 95 km de Quito, entrou em erupção ontem, lançando uma coluna de cinzas a 15.000 metros de altura; sua atividade prosseguiu hoje, com uma série de explosões ouvidas à distância, disseram camponeses das redondezas. Segundo emissoras de rádio regionais, as cinzas estavam sendo levadas pelo vento a zonas como Latacunga, 145 km a sudoeste do vulcão. O governo decretou feriado nas províncias afetadas e o aeroporto internacional continua interditado devido ao manto de cinzas que cobre a pista e os aviões estacionados. Os vulcanólogos explicaram que a erupção do Reventador não tem relação com a atividade dos vulcões Pichincha, a 12 km de Quito, e Tungurahua, 130 km ao sul da capital, que desde 1999 vêm lançando nuvens de fumaça com erupções isoladas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.