Cisjordânia é território ocupado, diz Corte Internacional

Pela primeira vez, uma instância judiciária internacional definiu as terras capturadas por Israel na guerra de 1967 como território ocupado - uma vitória dos palestinos, embora Israel afirme que não mudará sua política. A decisão da corte, que condena o sobre o muro, construído por Israel, que isola partes da Cisjordânia e anexa outras, define a Cisjordânia e Jerusalém Oriental como territórios ocupados e declara que as colônias israelenses nessas áreas são violações da Convenção de Genebra.Um representante da chancelaria israelense reconhece que a Corte, baseada em Haia, na Holanda, deu aos palestinos até mais do que eles esperavam, mas que a decisão de Haia não mudará nada. ?Basicamente, é linguagem das Nações Unidas?, disse ele. A Corte Internacional é um colegiado respeitado, mas não creio que faça alguma diferença?.Não obstante, um especialista israelense em direito internacional definiu o veredicto como um ?marco? no conflito árabe-israelense. ?Desde 1967, Israel alega que a Cisjordânia não é território ocupado?, disse Eyal Benvenisti, da Universidade de Tal-Aviv. ?Baseando-se em sua própria interpretação. Tal interpretação foi rejeitada hoje?.O ministro palestino Saeb Erakat disse que ?hoje é um dia histórico para o império da lei e alei internacional?, acrescentando esperar que ?Israel pare de pensar que está acima das leis dos homens?.

Agencia Estado,

09 de julho de 2004 | 16h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.