Cisjordânia tem maior retirada de judeus desde 2005

As forças de segurança de Israel evacuaram centenas de acampamentos judeus ilegais neste domingo em Migron, na Cisjordânia. A saída dos colonos é uma rara vitória dos proprietários de terra palestinos e ativistas israelenses defensores da paz, destaca notícia do jornal "The Wall Street Journal".

AE, Agência Estado

02 de setembro de 2012 | 17h38

Trata-se da maior evacuação desde que Israel se retirou da Faixa de Gaza em 2005. Cerca de 50 famílias foram escoltadas pela polícia ao deixarem suas moradias. Nas paredes das casas, algumas frases acusavam o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, de "destruir" Migron.

A evacuação foi ordenada pelo governo israelense na última semana, após meses de pressão e de descumprimento das datas impostas pela Suprema Corte do país. Contra a operação, houve intenso lobby de líderes dos colonos e aliados do partido Likud, ao qual pertence Netanyahu.

Migron foi o principal dentre dúzias de assentamentos ilegais criados entre os anos 90 e 2000 que tinham o objetivo de expandir a presença de judeus e impedir a formação de um estado palestino. Em 2003, o governo israelense prometeu aos Estados Unidos que removeria alguns dos acampamentos, mas nunca cumpriu.

"Estamos comprometidos com a lei e com o fortalecimento dos acampamentos", disse Netanyahu neste domingo. "Não há contradição entre as duas coisas", completou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelCisjordâniaacampamentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.