PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP
PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP

Ciudadanos é antídoto liberal contra a esquerda

Plataforma anticorrupção impulsionou partido

Andrei Netto, ENVIADO ESPECIAL / MADRI, O Estado de S. Paulo

19 de dezembro de 2015 | 16h08

Contra a ameaça representada pelo líder do Podemos, o esquerdista Pablo Iglesias – sujeito sempre vestido em camisa e calça jeans que ostenta uma barba por fazer e um longo rabo de cavalo –, estratos de classe média e alta liberal da sociedade espanhola encontraram seu antídoto. Trata-se de um político carismático de 36 anos e ternos bem cortados, com cabelo curto e barba feita. Seu nome: Albert Rivera, presidente dos Ciudadanos.

Advogado catalão, Rivera é líder de um partido de centro-direita que tem nove anos de existência, mas que nos últimos três passa por uma transformação – e uma ascensão – quase tão marcante quanto a de seu rival de esquerda. Nascido como partido pró-Espanha em meio a uma Catalunha independentista, o Ciudadanos também tem o tino do desafio político e hoje disputa contra o Podemos o título de terceiro maior partido da Espanha.

Para tanto, Rivera chega às eleições gerais com um apoio de peso: o da revista britânica The Economist, que nesta semana desprezou o conservador Mariano Rajoy e seu Partido Popular (PP) para defender a plataforma de renovação política liberal e anticorrupção sustentada pelo Ciudadanos. “Há quatro meses, o Ciudadanos era quase irrelevante e hoje está competindo com o Podemos”, surpreende-se Arturo Lahera Sánchez, sociólogo da Universidad Complutense de Madrid.

Para Manuel Cervera-Marzal, cientista político da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, de Paris, o Ciudadanos capitalizou na crítica da corrupção dos políticos na Espanha. “O Ciudadanos é uma tentativa de parte da própria classe política, do sistema, de se manter emerso”, explica.

Suas bandeiras mais caras, a ética na política, o liberalismo e o espírito empreendedor, encontram paralelos em outros partidos. Por isso, seu maior apelo tem sido o de ser centrista. A proximidade com o PP é, para os simpatizantes de Rivera, sua força. Mas, para seus críticos, sua principal fraqueza. Não são raros os espanhóis que consideram o Ciudadanos um aposto político da direita, com chances de aliança com Mariano Rajoy.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesEspanhaRiveraCiudadanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.