Civis atacam e matam policiais no Equador

Um subtenente e um agente de polícia morreram nesta quarta-feira durante um ataque realizado por um grupo armado contra um quartel da polícia equatoriana em Lago Agrio, cidade fronteiriça com a Colômbia. O prefeito Jorge Romo, em entrevista telefônica à Associated Press, disse que o ataque ocorreu às 3h (horário local). "Como conseqüência, temos dois policiais mortos: o subtenente Gonzalo Salazar e o policial Edison García, que faziam a guarda na porta de entrada do quartel", afirmou. O quartel atacado encontra-se na principal avenida de Lago Agrio, cidade localizada na região da selva amazônica equatoriana, 180 quilômetros a noroeste de Quito. A fronteira com a Colômbia fica a 20 quilômetros ao norte da cidade. Uma fonte policial da província de Sucumbíos, cuja capital é Lago Agrio, afirmou à AP que o assalto fora perpetrado por uma dezena de homens vestidos em trajes civis e armados com metralhadoras e pistolas. "Para que não se metam conosco", gritavam alguns dos homens enquanto atiravam, afirmou a mesma fonte. Nenhum grupo assumiu a autoria do atentado, mas a mídia local informou que, recentemente, a polícia de Sucumbíos deteve o colombiano Rodrigo Otaya, suposto chefe do bloco 48 da guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que atua na área colombiana de Putumayo, no limite com o Equador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.