Civis são os que mais sofrem em Alepo, diz Anistia

A organização de direitos humanos Anistia Internacional afirmou nesta quinta-feira que a artilharia, morteiros e ataques aéreos empregados pelo governo da Síria na cidade de Alepo estão matando principalmente civis, inclusive crianças.

AE, Agência Estado

23 de agosto de 2012 | 08h53

O relatório da organização, divulgado nesta quinta-feira, diz que os bombardeios indiscriminados contra bairros residenciais colocam em perigo a população. O governo e as forças de oposição estão lutando na cidade há um mês, após os rebeldes terem tomado diversas áreas de Alepo, norte da Síria.

A Anistia diz que entre os mortos estão dez pessoas de uma só família, sete delas crianças. A casa em que moravam foi totalmente destruída por ataques aéreos em 6 de agosto. O relatório mostra também que corpos de homens jovens, a maioria algemados e baleados na cabeça, foram encontrados próximos à sede da Inteligência da Força Aérea. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaviolênciadireitos humanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.