Clã é acusado de comprar terras usando ''laranja''

Opositores e chavistas denunciam enriquecimento repentino de parentes do presidente

Renata Miranda, CARACAS, O Estadao de S.Paulo

24 de maio de 2008 | 00h00

Nos últimos meses, a família do presidente Hugo Chávez tem sido alvo de uma série de denúncias. ''Essas acusações têm credibilidade porque não foram feitas apenas pela oposição, mas também por funcionários do governo que apóiam ou já apoiaram o presidente'', afirmou o historiador Manuel Caballero. ''O mais escandaloso de tudo é que o governo está tirando dinheiro dos cofres públicos para criar uma ilusão de poder regional em Barinas.''Em março, Wilmer Azuaje - deputado eleito pelo chavismo - acusou a família do líder venezuelano de ter usado um testa-de-ferro para comprar a Fazenda La Malagueña, de 581.961 hectares, em setembro de 2006. O uso de um ''laranja'' seria justificado pela impossibilidade de a família Chávez explicar a origem do dinheiro usado no negócio. O testa-de-ferro foi identificado por Azuaje como Néstor Izarra, funcionário da Fazenda La Chavera, propriedade do pai do presidente. Os principais alvos das denúncias são os irmãos do presidente Argenis e Narciso Chávez.''A família pagou 800 milhões de bolívares (cerca de US$ 400 mil) pela propriedade'', afirmou Azuaje. Segundo ele, um sinal evidente de que as terras são da família presidencial é a ótima conservação das estradas públicas que as rodeiam. ''Enquanto em outros lugares as estradas não são asfaltadas, as vias que conduzem às fazendas de Argenis parecem as avenidas de Mônaco, por onde passam os reis'', disse.Para Azuaje, uma providência deve ser tomada imediatamente pelo governo federal. ''Pedimos ao chefe de Estado que tome uma atitude porque é impossível que, com todo o aparelho da inteligência venezuelana, ele não saiba o que seus irmãos fazem'', afirmou. ''Chávez tem de mostrar seu compromisso com a ''revolução'' e fazer algo.'' Em 2001, Antonio Bastidas, outro deputado de Barinas, também acusou a família de ter comprado algumas de suas fazendas usando testas-de-ferro. Outras denúncias envolvendo Argenis foram feitas durante a Copa América de futebol - da qual ele foi presidente do comitê organizador -, disputada em 2007 na Venezuela (leia box). O opositor Rafael Simón Jiménez disse que quando as denúncias iniciais foram feitas, Chávez era muito popular e, por isso, as investigações não foram conduzidas de maneira adequada. ''Agora que sua popularidade caiu, veremos o que ocorrerá porque as acusações são muitas e estão bem fundamentadas.''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.