Clérigo antigoverno retorna ao Paquistão e promete liderar 'revolução pacífica'

Um proeminente clérigo retornou ao Paquistão nesta segunda-feira para liderar o que ele define como uma revolução pacífica contra o primeiro-ministro Nawaz Sharif, à medida que seus apoiadores combatiam a polícia, que usou gás lacrimogêneo na capital, Islamabad.

KATHARINE HOURELD E MUBASHER BUKHARI, REUTERS

23 de junho de 2014 | 10h41

Tahirul Qadri, um clérigo paquistanês transformado em ativista político e que mora no Canadá, é uma figura que divide opiniões no Paquistão, onde ganhou destaque no ano passado ao liderar manifestações em massa contra o governo anterior.

Com a aproximação do avião de Qadri do Aeroporto Nacional Benazir Bhutto, em Islamabad, a violência irrompeu na cidade após a polícia ter atirado gás lacrimogêneo em 2.000 de seus apoiadores, provocando cenas de caos raramente vistas na capital.

As autoridades, temendo uma escalada na agitação popular, desviaram o voo comercial para a cidade de Lahore, leste do país.

“Não queremos corrupção, não queremos terrorismo em nosso país”, disse Qadri à Reuters a bordo do avião. “Queremos transparência total das instituições”.

A ascensão repentina de Qadri aumentou especulação de que o Exército, que governou o Paquistão por décadas, pode estar usando-o como um instrumento para marginalizar o governo civil.

Sua volta acontece em um período difícil para o primeiro-ministro Nawaz Sharif, cujo governo civil fracassou em realizar conversas de paz com militantes do Taliban, levando o Exército a lançar uma grande ofensiva contra os rebeldes.

Mesmo após a aeronave ter pousado em Lahore, Qadri e seus apoiadores se recusaram a deixar o avião durante horas, exigindo que voasse de volta para Islamabad ou que o Exército enviasse um representante para protegê-lo.

Ele acabou desembarcando e foi escoltado para sua residência em Lahore, sua principal base no país. No aeroporto da cidade, cerca de 1.000 apoiadores realizaram uma manifestação pacífica gritando “Vida longa a Qadri”.

O porta-voz de Qadri, Shahid Mursaleen, disse que ele queria realizar uma revolta nos moldes da Primavera Árabe e instalar um governo que implemente reformas, combata o terrorismo e aumenta a prestação de contas das instituições.

“Ele quer trazer uma revolução democrática pacífica”, disse Mursaleen à Reuters. “Quer derrubar todo o sistema”.

Mais conteúdo sobre:
PAQUISTAOCLERIGOCAPITAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.