Clérigo paquistanês impõe decreto de morte contra revista

Publicidade é criticada por mostrar modelos como ´Adão e Eva´ em poucas roupas

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 09h47

O chefe do clero de uma mesquita radical de Islamabad, capital do Paquistão, anunciou um decreto de morte contra a equipe de uma revista por publicar uma propaganda intitulada Adão e Eva. Autoridades paquistanesas envolveram-se em um confronto com clérigos da Lal Masjid, ou Mesquita Vermelha, por meses. Os radicais ameaçaram reprisar ataques suicidas caso fosse usada força para acabar com seu movimento. O decreto, conhecido como fatwa, contra o editor-chefe, publisher e outros funcionários da revista escrita em inglês Octane é o mais recente desafio dos clérigos ao governo do presidente Pervez Musharraf. "Na edição de junho da revista foi cometida blasfêmia contra Hazrat (profeta)... Os responsáveis pela revista estão sujeitos a morte", afirmou Maulana Abdul Aziz, chefe do clérigo de Lal Masjid, em um comunicado. As fotografias consideradas ofensivas mostram dois modelos em poucas roupas segurando uma maçã. O editor da Octane, Zubair Kasuri, disse que se trata apenas de uma publicidade e que não contém blasfêmia, além de ter sido publicada antes por outras revistas. "Mas, mesmo assim, se eles tiverem alguma má interpretação ou alguma percepção errada, nós estamos prontos para nos desculpar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.