Clérigo xiita iraquiano pede unidade entre muçulmanos

Um dos mais importantes clérigos xiitas do Iraque quebrou um longo período de silêncio neste sábado e pediu por unidade entre os muçulmanos xiitas e sunitas, numa tentativa de acalmar a violência sectária que castiga o país há um ano. Em nota divulgada por seu gabinete, o Grande Aiatolá Ali al-Sistani reconhece que as diferenças entre muçulmanos sunitas e xiitas sempre existiram, mas argumenta que a divisão não deve ser motivo para derramamento de sangue. Esse é o primeiro pronunciamento público do clérigo sobre a crise de segurança desde outubro."Todos sabem da necessidade desesperada por unidade e a renúncia das divisões, evitando o fanatismo sectário e as crescentes disputas", diz a nota.Nascido no Irã, o clérigo pede para que todos os muçulmanos trabalhem para superar as diferenças sectárias e acalmar as paixões, que servem apenas "àqueles que querem dominar país islâmico e controlar seus recursos para atingir seus objetivos", segundo Sistani. Devido à sua estatura entre a comunidade xiita do Iraque, o clérigo tornou-se uma das figuras mais influentes do país após a invasão americana, em 2003. Apesar do papel de destaque, um pedido por moderação feito por Sistani após o ataque a uma mesquita sagrada xiita em Samarra, em fevereiro do ano passado, foi incapaz de conter o derramamento de sangue sectário, que se intensificou no país desde então.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.