Clérigo xiita ligado aos britânicos é morto em Basra

Um xeque tribal xiita ligado às forças britânicas foi morto nesta sexta-feira, 15, por pistoleiros em um carro em movimento na cidade sulista de Basra, enquanto um dirigente do Crescente Vermelho Iraquiano reclamava que a intimidação por parte de forças dos EUA era um perigo maior para o trabalho da organização humanitária do que ataques insurgentes."O principal problema que enfrentamos são as forças americanas, mais do que as outras forças", afirmou o médico Jamal Al-Karbouli, vice-presidente do Crescente Vermelho Iraquiano, a repórteres em Genebra.Dois fuzileiros navais americanos foram mortos nesta sexta-feira, 15, na volátil província de Anbar, oeste de Bagdá, e um terceiro morreu na quinta em conseqüência de ferimentos sofridos na mesma província. Um soldado dos EUA foi morto e dois ficaram feridos hoje na província de Ninevah, noroeste do Iraque. Assim, subiu para 54 o número de soldados americanos mortos no Iraque apenas em dezembro. Desde o início da guerra, em março de 2003, já são 2.942.O clérigo assassinado, Muhsin al-Kanan, era membro do conselho provisório da segunda maior cidade iraquiana, 550 km a sudeste de Bagdá, e tinha boas relações com as forças britânicas na área. Em Bagdá, foram registrados incidentes menores de violência nesta sexta-feira, o tradicional dia de orações muçulmanas.

Agencia Estado,

15 de dezembro de 2006 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.