Clérigo xiita Sadr ameaça 'guerra aberta' ao governo do Iraque

O clérigo xiita Moqtada al-Sadr ameaçouno sábado uma "guerra aberta" contra o governo iraquiano, a nãoser que este escolha o que ele chamou de "caminho da paz". Em um comunicado, o populista Sadr intensificou a tensãocom o primeiro-ministro Nuri al-Maliki, também xiita. Malikilançou uma ofensiva ao exército Mehdi, a milícia de Sadr, eameaçou proibir seu movimento de participar da vida política. "Estou dando o último aviso ao governo do Iraque -- ou elevolta à consciência e toma o caminho da paz ou será (visto)como o governo anterior", disse Sadr, se referindo ao governode Saddam Hussein. O clérigo adicionou: "Se eles não tomarem consciência econterem as milícias infiltradas, então nós vamos declarar umaguerra aberta até a libertação". Seu comunicado foi divulgado após soldados iraquianosatacarem o reduto do exército Mehdi em Basra. A invasão pelastropas do governo teve o apoio de um bombardeio de aviões deartilharia norte-americanos e britânicos. Também houve conflitos em Bagdá entre as forças desegurança e os membros da milícia de Sadr que usam máscarasnegras. A polícia disse que 12 pessoas foram mortas em umafavela xiita e os hospitais disseram ter recebido mais de 130pessoas feridas durante a noite. A ofensiva inicial de Maliki no início do mês em Basra foicriticada pelos comandantes norte-americanos por ter sidomal-planejada. Falhou em retirar o exército Mehdi das ruas egerou confrontos em algumas regiões. O governo dispensou 1.300 soldados por se recusarem alutar. Por sua vez, no sábado, Harith al Idhari, chefe doescritório de Sadr em Basra, disse que a milícia não ofereceuresistência, observando o cessar-fogo declarado pelo clérigo. Maliki ameaçou proibir o movimento de Sadr de participardas eleições nas províncias neste ano se o clérigo nãodesmontar sua milícia. Em resposta, Sadr ameaçou retirar o cessar-fogo que impôsàs suas milícias em agosto, o que poderia gerar um conflito degrande escala. Em seu comunicado, Sadr não se referiu ao cessar-fogo, masseu porta-voz em Najaf, Salah al-Ubaidi, disse que o clérigonão estava blefando. (Edição de Tim Pearce)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.