REUTERS/Cleveland Police Department
REUTERS/Cleveland Police Department

Cleveland demite policial que atirou em menino negro de 12 anos

Oficial disparou contra o menino Tamir Rice após confundir a arma de brinquedo da criança com uma real; motorista do carro policial foi suspenso por dez dias

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2017 | 17h15

WASHINGTON - A Polícia de Cleveland demitiu nesta terça-feira, 30, o agente que atirou e matou um menino negro de 12 anos há dois anos, após confundir a arma de brinquedo da criança com uma real.

Em novembro de 2014, Tamir Rice estava brincando em um parque com uma pistola de brinquedo quando os oficiais Timothy Loehmann e Frank Garmback estavam em um carro respondendo a um chamado de emergência.

Em um vídeo de câmeras de vigilância, Loehmann é visto atirando em Rice por duas vezes, segundos após a sua chegada, depois que o menino parece pegar a réplica da arma em sua cintura. Os oficiais não foram informados de que a arma da criança poderia ser uma imitação.

Loehmann foi demitido e Garmback, que estava dirigindo o carro, foi suspenso por dez dias.

Os oficiais de Cleveland afirmaram não ter encontrado evidências de que os agentes tivessem violado os procedimentos policiais. Ao contrário, ambos sofreram sanções disciplinares por violações relacionadas a um caso de dois anos atrás.

Loehmann foi demitido por violar as regras durante a aplicação do processo de trabalho, "especificamente, as respostas dadas por ele no seu histórico pessoal", afirmou o chefe da Polícia de Cleveland, Calvin Williams.

Quando atirou no menino, Loehmann havia sido contratado há seis meses e estava em período probatório.

Gravações divulgadas por outro Departamento de Polícia em que Loehmann trabalhou antes de integrar a polícia de Cleveland mostra que os seus supervisores quiseram demiti-lo por ser emocionalmente instável.

Uma investigação criminal subsequente feita pelo promotor local, e encerrada há um ano e meio, não levou a nenhuma acusação aos dois oficiais.

Nessa época, o promotor do Condado de Cuyahoga, Timothy McGinty, descreveu a tragédia como "uma tempestade perfeita de erros e falta de comunicação".

"Nós aprendemos muito" desde que Rice foi atingido, disse Williams nesta terça, indicando a existência de novas políticas e de novos treinamentos. "O nosso uso da força diminuiu dramaticamente", concluiu. / AFP 

 

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.