Clima festivo mascara tensão em protesto no Líbano

A vigília da oposição libanesa no centro de Beirute pedindo a renúncia do governo ganha ao anoitecer a cara de um animado evento social, com vendedores ambulantes, música, dança, comida, conversa, baralho e paquera dividindo o espaço com bandeiras, palavras de ordem e discursos. Um clima festivo - chega a lembrar as manifestações dos jovens "caras-pintadas" pedindo o impeachment do presidente Collor nos anos 90 - que mascara uma tensão crescente com a crise política que domina o Líbano.Nesta terça-feira os manifestantes vão realizar o funeral de Ahmed Ali Mahmoud, de 21 anos, um xiita que foi morto a tiros na noite de domingo num bairro sunita da capital libanesa durante um confronto entre jovens dos dois grupos.Mahmoud já foi velado na segunda-feira pela família e à noite foi levado para o centro da cidade para a procissão funerária e o sepultamento na terça-feira. É um momento em que ânimos costumam ficar exaltados e o temor pelo risco de violência aumenta.?Já houve um morto e vários feridos e nós continuamos aqui. Nós estamos dedicados à causa e por isso não temos medo?, disse o estudante xiita Amou Chali. Partidos Chali é um dos muitos jovens que participam deste protesto sem filiação formal com nenhum dos grupos de oposição, na maioria identificados como pró-Síria e se opondo a um governo que consideram pró-Estados Unidos.O estudante vestia uma camiseta do grupo xiita Hezbollah, um boné do também grupo xiita Amal e uma bandeira do grupo cristão de Michel Aoun, as três principais agremiações (nesta ordem de tamanho e influência) presentes no protesto.Completava o figurino uma faixa no pescoço com imagens de Che Guevara, face bastante comum em camisetas, bandeiras e broches de manifestantes."Esse governo trabalha com os Estados Unidos, trabalha com Israel. Eles estão se aliando com aqueles que querem a guerra no Líbano", disse Chali.Violência A oposição, liderada pelo Hezbollah, diz que não tem nenhuma intenção de adotar táticas violentas mas que vai manter a pressão até que o gabinete do primeiro-ministro Fouad Siniora renuncie."Vamos ficar aqui (nas ruas) até o governo cair. Temos tempo", disse Mohamed Hassan Gabres, simpatizante do Hezbollah. Mas o primeiro-ministro vem recebendo apoio do Ocidente e dos países árabes e não dá nenhum sinal de ceder às pressões oposicionistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.