Clima tenso em encontro de Powell com Villepin

O clima entre a França e os EUA ficou mais tenso após um almoço, organizado quarta-feira pelo secretário-geral da ONU, Kofi Annan, do qual participaram o secretário americano de Estado, Colin Powell, e o chanceler francês, Dominique de Villepin.O encontro, em vez de servir para melhorar as relações entre esses dois tradicionais parceiros, acabou contribuindo para agravá-las. A França não aceitou as "provas" contra o Iraque apresentadas horas antes por Powell, definindo-as como "indícios e suspeitas".Powell está furioso com seu colega francês desde 20 de janeiro, quando Villepin ameaçou utilizar o direito de veto da França no Conselho de Segurança da ONU. Durante o almoço, Villepin foi interpelado por Powell, que pretendia saber onde a França pretendia chegar mantendo sua intransigência.Segundo um funcionário da ONU citado pela imprensa francesa, Villepin fez um discurso eloqüente, convencido de que ninguém poderia lançar-se na aventura de uma guerra sem provas concretas, mas apenas com "indícios e suspeitas". Villepin chegou a ser interrompido por Powell, que reformulou sua pergunta: "Então como agir contra o Iraque de Saddam Hussein? Aumentando o número de inspeções e de inspetores?"Powell concorda com essa evolução, desde que os inspetores se convençam dessa necessidade, mas, a seu ver, esse não é o caso até agora.Todos os participantes sentiram aumentar a tensão entre os dois ministros e, em seguida, Powell expôs a posição de seu país sobre a guerra, mas procurando não dar a impressão, segundo a mesma fonte, de que a guerra já estava decidida. Para Powell, "ainda é tempo" de os iraquianos evitarem a guerra, prometendo, seja qual for a circunstância, que os EUA se comportarão de forma "responsável". Finalmente, ele concluiu com uma indicação contraditória à sua afirmação anterior: "Não aceito a idéia de que a guerra traga sempre resultados negativos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.