Joe Skipper/Reuters
Joe Skipper/Reuters

Clint Eastwood rouba a cena na noite da nomeação de Romney

Ator discursou voltado à cadeira vazia de um presidente Barack Obama imaginário

Efe,

31 de agosto de 2012 | 09h10

TAMPA - O ator e diretor americano Clint Eastwood arrancou muitos aplausos e roubou a cena na grande noite da confirmação de Mitt Romney como o candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, na quinta-feira, 30.

Veja também:

linkEm discurso, Romney aponta decepção e divisão após 4 anos da gestão Obama

linkLista traça relação de contribuições de campanha de Obama e Romney

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Em um monólogo voltado à cadeira vazia de um presidente Barack Obama imaginário, Eastwood sintetizou em poucas brincadeiras toda a mensagem da alternativa republicana. "O país é nosso, os políticos são nossos empregados, e quando alguém não faz o seu trabalho é preciso retirá-lo", deixou claro o vencedor do Oscar de melhor diretor por "Menina de Ouro" e "Os Imperdoáveis".

A participação do ator na última noite da Convenção Nacional Republicana começou com um discurso, sem teleprompter, lembrando a vitória de Obama. "Prometia mudança e esperança, havia velas, Oprah chorava. Mas agora chorou com força pelos 23 milhões desempregados", disse à cadeira vazia, que simbolizava, segundo sua opinião, a liderança ausente da Casa Branca.

O ator e diretor de 82 anos seguiu arrancando aplausos e risos dos delegados da convenção quando, em seu diálogo com o Obama imaginário, fingiu que o presidente interrompia sua fala: "agora é a minha vez de falar".

Eastwood aproveitou sua alocução para atacar a gestão econômica de Obama, seus esforços para fechar o centro penitenciário de Guantánamo e "a estúpida ideia" de julgar os suspeitos dos atentados do 11 de Setembro em Nova York.

Para o ator, chegou a hora de Romney, "um empresário estelar", tomar as rédeas do país e, ao lado do candidato republicano a vice-presidente, Paul Ryan, passar a dirigir os EUA.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.