Clinton alerta contra agressões da Rússia na Europa

Outros países próximos à Rússia também podem sofrer agressões se a comunidade internacional permitir que Vladimir Putin alcance seu objetivo na Ucrânia, alertou a Secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton. Clinton, uma potencial candidata para as eleições presidenciais de 2016, classificou a decisão da Rússia de anexar a Crimeia como ilegal e uma violação às leis internacionais.

AE, Agência Estado

19 de março de 2014 | 01h26

Para ela, se nada for feito vários outros países enfrentarão uma agressão direta da Rússia ou serão intimidados de tal modo que serão "transformados em vassalos, não democracias soberanas". As declarações foram feitas ontem à noite durante evento da Câmara de Comércio do Montreal Metropolitano.

Clinton defendeu uma abordagem em duas frentes para resolver a crise, que envolveriam incentivos econômicos e "defender os seus valores". Ela definiu o conflito como um "choque de valores". Além das sanções contra a Rússia, Clinton pediu apoio financeiro e técnico para o governo de Kiev.

A Secretária de Estado também ressaltou a necessidade de a Europa encontrar outras fontes de energia, de modo a não depender do óleo e gás da Rússia. "As pessoas precisam se movimentar para se protegerem de intimidações futuras. Pode levar um ano, dois anos, mas precisa ser lento e gradual. Então mais uma vez o povo verá a diferença, eles verão que têm escolhas", afirmou.

Ainda neste mês, Clinton comparou as ações de Putin na Crimeia com as estratégias adotadas por Adolf Hitler nos anos 1930. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
RÚSSIAEUAEUROPA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.