Clonaid anuncia nascimento de mais três bebês clonados

A presidente da empresa Clonaid, Brigitte Boisselier, anunciou hoje que mais três bebês clonados vão nascer entre janeiro e fevereiro.Ela não disse, entretanto, em que países ocorrerão esses nascimentos. "Produzimos várias centenas de embriões (clonados) para experiências, testes genéticos etc. Procedemos a dez implantações (em úteros) e cinco tiveram sucesso. Dois nasceram agora. Esperamos o nascimento dos outros três até o final de janeiro, princípio de fevereiro", afirmou a presidente da empresa ligada à seita dos raelianos. Brigitte Boisselier anunciou, no último dia 26 de dezembro, o nascimento do primeiro bebê clonado, a menina Eva. Mas a empresa não apresentou provas científicas sobre a existência de clonagem, o que continua a suscitar ceticismo por todo o mundo.No sábado, foi anunciado o nascimento do segundo bebê clonado, outra menina, "filha" de um casal de lésbicas holandesas.A sociedade de clonagem humana Clonaid, cujos escritórios se encontram em Las Vegas, Estado de Nevada, foi fundada pelos raelianos, uma seita do Canadá que professa que os extraterrestres criaram a espécie humana através de clonagem, há 25 mil anos.O "New York Times" publica hoje que o jornalista norte- americano Michael Guillen, encarregado de verificar se Eva era de fato o primeira bebê clonado, tentou vender a história a cadeias de televisão dos EUA semanas antes do nascimento.Tal atitude levanta suspeitas quanto à independência do jornalista em relação aos raelianos, seita que fundou a Clonaid.Guillen é um antigo repórter em questões científicas da cadeia televisiva ABC e tem formação em Física e Matemática.Embora o jornalista tenha afirmado que o seu único objetivo era fazer a reportagem, o "New York Times" acusa-o de ter oferecido uma cobertura exclusiva do nascimento um mês antes da sua ocorrência.Por outro lado, Guillen também tentou vender, por US$ 100 mil, um documentário sobre os esforços de clonagem humana, diz o jornal, adiantando que, além da Fox, nem a ABC, NBC, CBS, CNN e HBO fizeram qualquer contrato com o jornalista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.