EFE/EPA/Oliver Contreras / POOL
EFE/EPA/Oliver Contreras / POOL

Clube de golfe de Trump dispensa 153 funcionários na Flórida

Trabalhadores atingidos são, em sua maioria, manobristas, lavadores de pratos e faxineiros; dias antes, outro clube do presidente americano colocou em licença não-remunerada 560 funcionários

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2020 | 19h55

MIAMI - O clube e campo de golfe Mar-a-Lago, residência de luxo do presidente americano, Donald Trump, na Flórida, dispensou temporariamente 153 funcionários devido à pandemia de coronavírus, segundo uma notificação enviada ao Departamento de Oportunidades Econômicas estadual.

"Cerca de 153 funcionários do clube foram colocados em licença não-remunerada", escreveu o departamento de relações públicas do clube ao departamento de empregos da Flórida, em carta datada de 27 de março e divulgada nesta sexta-feira pelo jornal local Miami Herald.

O documento, ao qual a AFP teve acesso, assinala que se espera que "o fim das operações não-essenciais do clube e estas dispensas sejam temporários".

Os funcionários atingidos são, em sua maioria, manobristas, lavadores de pratos e faxineiros, entre outros. "Nenhum destes trabalhadores é representado por um sindicato", assinala a carta.

A informação é divulgada dias após a notícia de que o clube de golfe de Trump em Doral, a oeste de Miami, colocou em licença não-remunerada 560 funcionários.

Desde meados de março, mais de 22 milhões de pessoas pediram auxílio-desemprego, e, segundo o FMI, a economia americana irá encolher 5,9% em 2020. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.