Clube de Paris negociará dívida da Argentina sem o FMI

O Clube de Paris aceitou negociar a dívida da Argentina de US$ 7,5 bilhões sem a intermediação do Fundo Monetário Internacional (FMI), como solicitava o país sul-americano, anunciou nesta segunda-feira a presidente da Argentina, Cristina Kirchner. "Não haverá comissões, bancos, empresas nem assessores nas negociações", disse Cristina em pronunciamento feito em cadeia nacional. Ela acrescentou que a decisão do Clube de Paris foi anunciada primeiro por e-mail, e posteriormente ratificada por carta. Cristina disse que a correspondência afirma que a negociação tem de ser realista e que o modo de pagamento proposto permitirá que haja o reerguimento da atividade econômica do país com inclusão social. "Esta foi a única maneira encontrada de saldarmos a dívida", disse a presidente. O Clube de Paris, integrado por potências como Estados Unidos, Alemanha e França, havia sinalizado reiteradas vezes que a única maneira de a Argentina sair da moratória de uma dívida de US$ 7,5 bilhões era submeter-se às regras do FMI, o que a Argentina se recusou a aceitar. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.