Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Clube dos negacionistas paga preço por rejeitar ciência na pandemia

Trump perdeu as eleições, presidente da Tanzânia morreu de covid, Boris Johnson mudou estratégia após adoecer e Bolsonaro é acusado de crimes contra a humanidade

Renato Vasconcelos, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2021 | 05h00

No início da pandemia, eles formavam a “Aliança do Avestruz”, clube informal de líderes que optaram por enfiar a cabeça no chão e fingir que o coronavírus era uma gripe passageira. Hoje, com a vacinação e a redução das contaminações, a estratégia parece ter sido um tiro n’água. Donald Trump saiu das urnas derrotado nos EUA. Jair Bolsonaro foi acusado de charlatanismo e crimes contra a humanidade no Brasil. E o presidente da Tanzânia, John Magufuli, morreu de covid-19.

O grupo reúne ainda outros populistas – de esquerda e de direita –, como Andrés Manuel López Obrador, do México, o britânico Boris Johnson, Daniel Ortega, na Nicarágua, e os ditadores Alexander Lukashenko, de Belarus, e Gurbanguli Berdymukhamedov, do Turcomenistão. Até agora, Bolsonaro é o único acusado formalmente de crimes durante a pandemia.

A reação é variada, segundo analistas, porque depende da reação ao negacionismo em cada sociedade. “Há fatores que fazem com que a taxa de aprovação de um governo reaja de forma mais ou menos sensível à posição negacionista de um governante, como a presença de uma oposição coesa, uma sociedade civil vibrante e instituições funcionais capazes de articular propostas alternativas e de incentivar a correção de curso, quando necessário”, disse Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP).

Essa tendência é observada quando comparados os casos de líderes negacionistas em países democráticos e autocracias. Bolsonaro passou pelo escrutínio de uma CPI e a condução da pandemia foi um fator determinante para a derrota de Trump, em 2020. Mas em regimes autoritários, que mantêm uma fachada democrática, a contestação é quase nula.

Paralelos

“É impossível listar todos os absurdos ditos por esses demagogos populistas e tiranos. Todos os líderes mundiais cometeram erros, mas há algo realmente nefasto nas manipulações desses líderes mais infames”, escreveu Frida Ghitis, colunista do Washington Post, ao tentar apontar quem foi o pior desempenho.

No Turcomenistão, Berdymukhamedov, que durante a pandemia recomendou a inalação de uma erva contra a covid e proibiu o registro de casos e menções à doença no país, foi reeleito para mais um mandato com 98% dos votos, mesmo após 15 anos no poder. Na Nicarágua, Ortega está próximo de conquistar seu quinto mandato como presidente, após prender sete pré-candidatos.

A tendência ao negacionismo científico se manifestou ao longo da pandemia, principalmente, em países autoritários ou liderados por governantes com alguma tendência populista. Alguns paralelos entre populistas e autocratas explicam essa relação, de acordo com Stuenkel. “Uma questão que une essas lideranças é a tentativa de concentrar o poder no Executivo, de estabelecer estruturas decisórias com alto poder no gabinete, e todos possuem algum grau de messianismo, uma narrativa de que só eles são capazes de lidar com os desafios.”

Por serem personalistas e centralizadores, projetos com características autoritárias e populistas afastam a possibilidade da revisão das ações adotadas pelo governo, pois funcionariam como uma admissão de culpa dos governos. No entanto, nem todo populista ou autocrata teve uma abordagem negacionista. 

Vietnã e China controlaram a pandemia com relativo sucesso, apesar de sistemas políticos fechados, enquanto Reino Unido e EUA, apoiados em mecanismos de freios e contrapesos bem estabelecidos, impediram que atitudes negacionistas se espalhassem e estão entre os pioneiros na vacinação. Boris Johnson, por exemplo, abandonou o clube após passar alguns dias com covid na UTI.

Mudança

No começo da pandemia, o líder britânico afirmou que a Inglaterra apostaria em uma estratégia de imunidade de rebanho. Após contestações de autoridades médicas e de projeções estatísticas que apontaram a tragédia que ocorreria sem medidas restritivas, Johnson voltou atrás e se tornou um dos primeiros líderes a colocar nas ruas uma campanha de vacinação em massa, em dezembro de 2020. 

“No caso de Johnson, houve uma mudança, um processo de aprendizagem. Essa é outra marca registrada de democracias com instituições resilientes, que pressionam os líderes quando eles cometem erros, e há um incentivo para que haja uma correção de curso”, afirma Stuenkel.

Na Tanzânia, o negacionismo do presidente Magufuli foi levado às últimas consequências. “O coronavírus, que é o demônio, não pode sobreviver em um corpo de Cristo. Vai queimar instantaneamente”, disse ele, no início da pandemia. Entre maio de 2020 e julho de 2021, o país não registrou nenhum caso ou morte por covid, mas o número de doenças pulmonares disparou. Magufuli se opôs ao distanciamento social e rejeitou as vacinas – que, segundo ele, eram uma “conspiração ocidental para saquear a África”. 

Em vez da imunização, Magufuli prescreveu uma combinação de inalação de vapor e oração contra o vírus. No começo deste ano, ele adoeceu. Após sua última aparição pública, em 27 de fevereiro, opositores e jornalistas especularam que ele estaria se tratando da covid-19 no exterior. Magufuli morreu em 17 de março. Oficialmente, a causa da morte não foi revelada. O governo disse apenas que ele sofria de “problemas cardíacos”.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.