CNN demite editora para Oriente Médio após comentário no Twitter

Jornalista com 20 anos de casa disse sentir tristeza após morte de líder espiritual do grupo militante libanês Hezbollah.

BBC Brasil, BBC

08 de julho de 2010 | 18h54

A rede de televisão americana CNN demitiu uma jornalista após ela ter declarado, no Twitter, seu respeito por um clérigo que teria inspirado o movimento militante libanês Hezbollah.

Octavia Nasr trabalhava como editora para assuntos relativos ao Oriente Médio e estava a 20 anos na emissora de TV a cabo americana.

Após ouvir notícia da morte do aiatolá Mohammed Hussein Fadlallah, Nasr escreveu a seguinte mensagem no site de microblogging: "Triste ao ouvir a notícia da morte de Sayyed Mohammad Hussein Fadlallah... Um dos gigantes do Hezbollah, a quem respeito muito."

Estados Unidos e Israel associam o Hezbollah a atividades terroristas.

Um representante da emissora disse que Nasr estava deixando a empresa porque sua credibilidade havia sido "comprometida".

'Erro'

Nasr - que atuava, em grande parte, nos bastidores da CNN - descreveu seu comentário no twitter como um "erro de julgamento" e disse que a declaração se referia às posições "pioneiras" do clérigo sobre os direitos das mulheres.

"A reação ao meu tweet foi imediata, impressionante e é uma boa lição sobre porque 140 toques não devem ser usados para comentar sobre assuntos polêmicos e delicados, especialmente no que se refere ao Oriente Médio", disse ela em uma mensagem em um blog, publicada na terça-feira.

O aiatolá Fadlallah, morto no domingo aos 74 anos, era o mais importante clérigo muçulmano xiita do Líbano.

Ele era frequentemente descrito como o líder espiritual do Hezbollah, formado em 1982.

Clérigo e grupo, no entanto, negavam a associação.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.