Drew Angerer / Getty Images / AFP
Drew Angerer / Getty Images / AFP

CNN e Time Warner esvaziam escritórios de NY em razão de pacote suspeito

Pouco antes, o Serviço Secreto informou que dispositivos semelhantes foram encontrados entre as correspondências enviadas ao ex-presidente Barack Obama e à ex-secretária de Estado Hillary Clinton

O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2018 | 11h37
Atualizado 25 de outubro de 2018 | 13h24

NOVA YORK, EUA - Os escritórios da emissora americana CNN e do conglomerado Time Warner na cidade de Nova York foram esvaziados nesta quarta-feira, 24, em razão de pacotes suspeitos. A polícia está investigando os relatos sobre os dispositivos. Segundo a CNN, o pacote enviado à rede foi endereçado ao ex-diretor da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA), John Brennan.

Pouco antes, o Serviço Secreto dos Estados Unidos informou que dispositivos semelhantes foram encontrados entre as correspondências enviadas ao ex-presidente Barack Obama e à ex-secretária de Estado Hillary Clinton.

A Casa Branca condenou "as tentativas de ataques violentos" com os artefatos explosivos. "Condenamos as tentativas de ataques violentos realizadas recentemente contra o presidente Obama, o presidente (Bill) Clinton, a secretária de Estado Clinton e outras figuras públicas", disse em um comunicado a porta-voz do gabinete presidencial, Sarah Sanders.

"Estas ações terroristas são desprezíveis e todos os responsáveis prestarão contas perante a lei. O Serviço Secreto dos EUA e outras agências estão investigando e tomarão todas as ações apropriadas para proteger qualquer um que seja ameaçado por esses covardes", afirmou a assessora.

O prefeito de Nova York Bill de Blasio condenou o "ato de terror", referindo ao pacote enviado à CNN. Ele disse que as autoridades aumentaram a segurança na cidade. A polícia informou que encontrou um envelope com pó branco junto a um explosivo ativo enviado ao prédio da Time Warner.

Os telespectadores da CNN viram, ao vivo, a interrupção de um programa conduzido pelos jornalistas Poppy Harlow e Jim Sciutto quando soou o alarme para que o prédio fosse esvaziado.

A rede televisiva seguiu com a transmissão do escritório de Washington e, depois, Poppy Harlow e Sciutto permaneceram informando sobre o ocorrido da rua, em Nova York.​/ REUTERS, AP, AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.