Coalizão de governo alemã acerta antecipar blecaute nuclear para 2022

Segundo o Ministro do Meio Ambiente, as três usinas nucleares mais modernas atrasarão eventualmente seu fechamento para 2022 no caso de surgirem problemas com a provisão de energia

Efe,

30 de maio de 2011 | 05h34

BERLIM - A coalizão de governo comandada pela chanceler federal, Angela Merkel, acertou antecipar o blecaute nuclear na Alemanha para o ano de 2022, embora já em 2021 terão sido desligadas a grande maioria das centrais atômicas da Alemanha.

A União Democrata-Cristã (CDU) de Merkel, social-cristãos bávaros (CSU) e liberais (FDP) anunciaram nesta madrugada, 30, que as oito centrais cujo fechamento provisório foi anunciado após a catástrofe de Fukushima nunca mais voltarão a ser conectadas à rede.

O ministro do Meio Ambiente alemão, Nobert Röttgen, comunicou à imprensa no começo da madrugada de hoje, 30, que as três usinas nucleares mais modernas atrasarão eventualmente seu fechamento para 2022 no caso de surgirem problemas com a provisão de energia.

Essas unidades devem ser vistas como reserva de segurança, disse Röttgen, que comentou que o acordo entre as três legendas prevê que no ano de 2018 se decida se o blecaute pode ser realizado em 2021 ou um ano mais tarde.

A decisão dos partidos da coalizão dirigida por Merkel supõe um retorno à decisão tomada no ano de 2000 pela então coalizão de social-democratas e verdes às ordens de Gerhard Schröeder que tinha aprovado por lei o fim da era nuclear em 2021.

Merkel e sua equipe se retratam assim da lei que aprovaram no ano passado para prolongar a vida das usinas nucleares em uma média de 14 anos e que atrasava para 2036 o fechamento da última usina atômica na ativa.

Tudo o que sabemos sobre:
usinaalemanhablecautenuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.