Coalizão de Netanyahu rejeita pressões de Kerry

Membros linha-dura da coalizão de Benjamin Netanyahu aumentaram a pressão sobre o primeiro-ministro israelense, ameaçando derrubar o governo se ele ceder às pressões norte-americanas para aceitar demandas palestinas em meio a conversas de paz mediadas pelos Estados Unidos. O alerta veio no momento em que o secretário de Estado norte-americano John Kerry fez uma pausa após três dias de conversas com Netanyahu e o presidente palestino Mahmoud Abbas.

Agência Estado

05 de janeiro de 2014 | 13h04

Em um sinal de que Kerry estaria intensificando a pressão, uma fonte palestina confirmou que o secretário pediu a Abbas que reconheça Israel como a terra dos judeus. Abbas já rejeitou diversas vezes essa demanda israelense, dizendo que isso comprometeria os direitos dos refugiados palestinos e da minoria árabe em Israel. A fonte falou sob condição de anonimato porque Kerry proibiu as partes de falarem em público sobre as negociações.

Diante da forte pressão dos Estados Unidos, Israel e os palestinos concordaram em reiniciar conversas significativas depois de quase cinco anos. Com a meta de chegar a um acordo iminente até abril, Kerry intensificou seu envolvimento. Ele se recusou a conversar com repórteres, mas aparentemente a negociação gira em torno de uma troca: os palestinos reconheceriam Israel como a terra dos judeus e obteriam a aceitação por parte de Israel das fronteiras pré-1967 como base para as conversas. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
KerryOriente MédioIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.