Coalizão de radicais islâmicos assume poder em província do Paquistão

Legisladores de uma coalizão de grupos radicais islâmicos foram empossados hoje como o partido dominante na conservadora Província da Fronteira Noroeste do Paquistão, a primeira vez que a direita religiosa antiamericana assume o controle de um legislativo provincial.A ascensão ao poder do bloco religioso, chamado Fórum da Ação Unida, tem preocupado Washington, que conta com o Paquistão como um aliado vital na guerra contra o terrorismo. Os partidos religiosos ficaram em terceiro lugar na eleição nacional de 10 de outubro, conquistaram o controle na província da Fronteira, e também tiveram grande votação na sulista Baluchistão.Oficiais dos EUA acreditam que muitos remanescentes do Taleban e da Al-Qaeda fugiram para a Província da Fronteira e para a Província do Baluchistão, ambas fronteiriças ao Afeganistão, depois da guerra afegã.Líderes do Fórum da Ação Unida, muitos dos quais tinham laços estreitos com o antigo regime do Taleban, querem a saída das tropas americanas do Paquistão e a imposição de uma revolução islâmica no país.Akram Durrani, 48 anos, um líder da coalizão religiosa do conservador distrito de Bannu que deve se tornar o ministro-chefe da províncias e seu mais poderoso político, adiantou que as mudanças estão a caminho. "Nossa prioridade maior é a imposição de um sistema islâmico", anunciou após tomar posse hoje. "Faremos as leis de acordo com o Islã".Mesmo antes da posse, legisladores do Fórum da Ação Unida ficaram de pé e rezaram para Aimal Kasi, um paquistanês executado no começo do mês em Virgínia, EUA, pelo assassinato de dois empregados da CIA.Kasi, cujo corpo foi enterrado na semana passada em sua cidade-natal, Quetta, tornou-se um herói para muitos paquistaneses, especialmente na direita religiosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.