REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Coalizão opositora rejeita resultado de eleições regionais na Venezuela e convoca protestos

Chefe de campanha eleitoral da Mesa da Unidade Democrática (MUD) afirmou que pedirá uma auditoria de todo o processo eleitoral; presidente Nicolás Maduro comemorou resultado e ressaltou que ‘chavismo está vivo’

O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2017 | 08h10

CARACAS - A coalizão de oposição da Venezuela se recusou a reconhecer os resultados da eleição para governadores realizada no domingo 15, na qual os candidatos do presidente Nicolás Maduro conseguiram uma maioria surpreendente, aumentando ainda mais a instabilidade política no país.

+ Odebrecht financiou campanhas na Venezuela por uma década, diz delator

Pouco após a divulgação dos resultados, o chefe de campanha da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), Gerardo Blyde, participou de uma entrevista coletiva e afirmou que o grupo pedirá uma auditoria de todo o processo eleitoral. Além disso, ele também pediu que seus candidatos liderem “atividades de rua” nesta segunda-feira, 16, em protesto aos resultados.

+ Antichavistas denunciam manobras ilegais

Blyde explicou que a oposição não reconhecia os resultados "não somente em razão de todas as violações de lei que vieram sendo cometidas durante o processo", como a substituição de candidatos e a realocação de centros eleitorais, mas também em razão da violação do direito "de escolher e ser escolhido".

O opositor acusou o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) de ter um "sistema trapaceiro, que não é transparente e representa algumas condições abusivas de quem controla o poder". Ele também disse que os resultados divulgados pelas autoridades eleitorais "não refletem a realidade". Por isso, exigiu que se audite todo o processo, desde o sistema até as impressões digitais, para que possa haver um reconhecimento ou não dos resultados anunciados.

Comemorações

Maduro comemorou no domingo a vitória do chavismo nas eleições regionais, nas quais venceu em 17 Estados. Após ressaltar que "o chavismo está vivo", ele estendeu a mão aos opositores.

"Ganhamos 75% dos governos do país (...). O chavismo está vivo, está triunfante e está nas ruas", afirmou o chavista, em pronunciamento minutos depois que o Poder Eleitoral anunciou os resultados oficiais da votação.

"A oposição teve cinco vitórias, as reconhecemos como fizemos sempre, e há um governo em disputa", disse ao se referir ao Estado de Bolívar (sudeste). "Hoje ganhou a verdade da Venezuela, hoje o chavismo arrasou, hoje temos 17 governos, hoje temos 54% dos votos, hoje temos 61% de participação, e hoje a pátria se fortaleceu com 75% dos governos.”

"Esta vitória é uma proeza moral e política do povo venezuelano, que conseguiu resistir aos embates da guerra da oligarquia e disse 'não às sanções', 'não ao intervencionismo'", destacou o líder venezuelano. / REUTERS, EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.