Coalizão paquistanesa quer mediar diálogo com Taleban

Grupo fundamentalista se mostra disposto a dialogar com governo em troca do fim de operações militares

Efe,

16 de outubro de 2008 | 18h02

O clérigo Fazlur Rehman, líder de um partido islâmico que faz parte da coalizão que governa o Paquistão, se ofereceu nesta quinta-feira, 16, como mediador para as conversas de paz entre o Executivo e os talebans. Segundo uma fonte da legenda, citada pela rede de TV Dawn. Rehman, que lidera o Jamiat Jamiat Ulema e Islã (JUI) fez a proposta em uma sessão conjunta das duas câmaras do Parlamento paquistanês. Veja também:ONU adverte que militantes do Taleban se aproximam de CabulPaquistão diz que ataques dos EUA 'ajudam os terroristas' O oferecimento chega um dia depois de o porta-voz dos talebans paquistaneses, o clérigo Omar, declarar que o movimento ao que pertence está disposto a restabelecer as conversas com o governo. "Estamos dispostos a abandonar as armas e a dialogar, se o Executivo por fim às operações militares", disse o porta-voz do movimento Tehrik e Taleban Paquistão (TTP), que reúne os grupos talebans paquistaneses, segundo a rede britânica BBC.  Os contatos entre o Executivo e os talebans foram suspensos após o início das operações do Exército em várias áreas do noroeste do país. O Parlamento paquistanês debate há uma semana a portas fechadas a estratégia na luta contra o terrorismo, que vários partidos opositores consideram necessário revisar após o recente aumento da violência. O Partido Popular do Paquistão (PPP), que lidera a coalizão de governo, reiterou nos últimos dias sua intenção de voltar a negociar com os que renunciem à violência. A opositora Liga Muçulmana do Paquistão-N (PML-N), do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, também se manifestou a favor das conversas.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.