Coalizão pode ter 45 países, mas não 1,2 bilhão de pessoas

A "coalizão dos países voluntários" do presidente dos EUA, George W. Bush, passou a contar com 45 nações, segundo a Casa Branca, mas sua garantia de que cerca de 1,2 bilhão de pessoas apóiam o conflito é contestada pelo crescente sentimento antiamericano mesmo nos países aliados.A administração Bush acrescentou na quinta-feira à lista a Costa Rica, República Dominicana, Honduras, Kuwait, Ilhas Marshall, Micronésia, Mongólia, Palau, Portugal, Ruanda, Cingapura, Ilhas Salomão e Uganda."Não é por acaso que muitos membros da coalizão escaparam recentemente da tirania e opressão", afirmou o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer. "Eles entendem que o que está em jogo é levar liberdade e (promover a) libertação do povo iraquiano".Fleischer disse que a coalizão - que inclui uma dezena de ex-países comunistas da antiga Cortina de Ferro - conta com o apoio da população das 45 nações, ou cerca de 1,2 bilhão de pessoas.Mas, com protestos contra a guerra surgindo em muitas nações cujos governos se alinharam com os EUA, a conta não fecha.Na República Checa, que enviou 400 especialistas em armas químicas para o Kuwait, 70% dos entrevistados para uma pesquisa divulgada hoje se disseram contra a guerra.Pesquisas têm mostrado consistentemente uma grande oposição à guerra em muitos outros países da coalizão, como Hungria e Eslováquia, onde três em cada quatro pessoas se colocaram contra a guerra.O sentimento antiguerra é alto na Grã-Bretanha, Itália, Japão, Holanda, Espanha e outros países da coalizão.A Bulgária é um dos mais ardorosos aliados dos EUA, tendo oferecido 150 tropas não-combatentes e apoio logístico. Mas seu presidente, Georgi Parvanov, afastou-se do primeiro-ministro na quinta-feira e denunciou o conflito."Não aceito essa guerra", disse ele, num discurso televisionado à nação.O modesto apoio militar e moral oferecido pela maioria dos governos da coalizão não deve ser confundido com a posição de seus povos, advertiu Jonathan Stevenson, um analista do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, em Londres."Muito disso é lorota", afirmou. "A visão sobre os Estados Unidos, mesmo entre aqueles nomeados como partidários da política dos EUA no Iraque, tem despencado".A lista completa dos países da "coalizão dos voluntários" é a seguinte: Afeganistão, Albânia, Austrália, Azerbaidjão, Bulgária, Cingapura, Colômbia, Coréia do Sul, Costa Rica, Dinamarca, El Salvador, Eritréia, Eslováquia, Espanha, Estônia, Etiópia, EUA, Filipinas, Geórgia, Grã-Bretanha, Holanda, Honduras, Hungria, Ilhas Salomão, Ilhas Marshall, Islândia, Itália, Japão, Kuwait, Letônia, Lituânia, Macedônia, Micronésia, Mongólia, Nicarágua, Palau, Polônia, Portugal, República Checa, República Dominicana, Romênia, Ruanda, Turquia, Uganda e Uzbequistão.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.