Coalizão volta a atacar forças de Kadafi

Caças americanos e britânicos bombardeiam posições do ditador líbio nos arrepores de Trípoli

estadão.com.br,

20 de março de 2011 | 12h25

Militar italiano prepara caça F-16 em base na Sicília. Alessandro Bianchi/Reuters

Atualizada às 14h24

TRÍPOLI - Aviões americanos retomaram bombardeios contra tropas leais ao ditador líbio, Muamar Kadafi neste domingo, 20. Ao menos 18 caças, incluindo três aviões 'invisíveis' B-2, conduziram a operação. Caças F-15 e F-16 e um jato AV8-B Harrier, além de jatos britânicos também participaram dos ataques.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

mais imagens Fotos: Veja imagens no Olhar Sobre o Mundo

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

Durante a noite, os B-2 lançaram 40 bombas convencionais em alvos em território líbio, enquanto navios de guerra americanos e britânicos dispararam pelo menos 110 mísseis teleguiados contra a defesa aérea líbia. Pelo menos 20 posições de defesa aérea foram alvejadas na capital, Trípoli, e na cidade de Misrata, no oeste. Ainda de acordo os militares americanos, as linhas de suprimento de Kadafi devem ser cortadas na segunda-feira.

O comando militar francês, por sua vez, informou que o porta-aviões Charles de Gaulle está a caminho da Líbia. Duas fragatas francesas já operam no Mediterrâneo. Os caças da Força Aérea Francesa patrulham os céus da Líbia, mas não fizeram disparos hoje, disse o Ministério da Defesa. O Reino Unido declarou que os seus aviões atacaram defesas antiaéreas na região da capital Trípoli.

A Itália colocou a disposições oito jatos que podem ser utilizados à qualquer momento. São quatro caças e quatro aviões Tornado que podem neutralizar radares líbios. De acordo com o ministro da Defesa, Ignazio La Russa, o centro de comando da operação seta sendo montado em Nápoles.

A Bélgica cedeu seis caças F-16 que estarão operacionais na segunda-feira. De acordo com o comandante das Forças Armadas Americanas, almirante Mike Mullen, aviões de guerra do Catar estão a caminho da Líbia.

 

Uma aliança formada por EUA, França, Reino Unido, Itália e Canadá deu início no sábado, 19, a uma intervenção militar no país, sob mandado da resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A medida prevê a criação de uma zona de exclusão aérea na Líbia e a tomada de 'quaisquer medidas necessárias' para impedir o massacre de civis pelas tropas de Kadafi.

 

 

Leia ainda:

linkEUA: Zona de exclusão aérea já funciona na Líbia

linkTropas de Kadafi invadem cidade rebelde Misrata

linkRússia diz que 48 civis morreram e pede ataques restritos

linkRebeldes líbios caçam colaboradores de Kadafi

 

 

Com Reuters e BBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.