'Cobertura na Síria está longe de ser ideal', diz enviado do 'Estado'

Andrei Netto foi o primeiro jornalista brasileiro a entrar em Alepo, que teve duros conflitos nos últimos dias

estadão.com.br,

01 de agosto de 2012 | 14h47

Texto atualizado às 15h32

 

SÃO PAULO - O correspondente do Estado em Paris, Andrei Netto, relatou nesta quarta-feira, 1, detalhes da cobertura recente que fez na Síria, de onde voltou no começo da semana. Andrei foi o primeiro jornalista brasileiro a entrar na cidade síria de Alepo, palco de duros conflitos nos últimos dez dias.

 

Veja também:

video TV ESTADÃO: Em Alepo, a hegemonia dos rebeldes é nítida

 

De acordo com o repórter, que participou de um bate-papo com leitores na tarde de hoje, a cobertura no país "está longe de ser ideal". "A Síria tem as fronteiras fechadas desde o início da Primavera Árabe, mas elas têm se tornado mais permeáveis nas últimas semanas", conta. Por conta disso, o jornalista conseguiu entrar no país, pela fronteira com a Turquia.

 

Assista ao vídeo completo:

 

 

Andrei vive há seis anos em Paris. Desde o início de 2011, vem cobrindo os eventos da Primavera Árabe para o Estado, tendo feito reportagens na Tunísia e no Egito. Na Líbia, acompanhou a revolta desde seu início, em fevereiro de 2011, até as primeiras eleições parlamentares no país, realizadas em junho passado.

 

O jornalista também viu de perto a queda de Trípoli e a morte violenta do ditador Muamar Kadafi na cidade de Sirte. Sobre a revolução líbia, escreveu o livro "O Silêncio contra Muamar Kadafi", que será publicado em breve no Brasil.

 

Nas últimas duas semanas, o repórter viajou por três países do Oriente Médio: Líbano, Turquia e Síria. Nos dois primeiros, encontrou-se com refugiados sírios e com líderes rebeldes no exílio. Depois, conseguiu entrar na Síria sem a autorização do regime e foi o primeiro jornalista brasileiro a cobrir a revolta em Alepo, o atual epicentro da revolução.

 

No norte do país, Andrei viajou por diferentes cidades e vilarejos, entrevistou cidadãos comuns e chefes militares. "O regime ainda pode esmagar a insurgência em Alepo e em outras cidades, mas Bashar Assad nunca esteve tão perto de cair", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.