AFP PHOTO / MANDEL NGAN
AFP PHOTO / MANDEL NGAN

Cobrança do Brasil na ONU é 'descaramento', afirma chanceler venezuelana

Em resposta a fala da embaixadora brasileira nas Nações Unidas, Delcy Rodríguez chama de 'corrupto' e 'golpista' o governo de Michel Temer e diz que não vai sequer considerar o apelo para retomar processo de referendo

Jamil Chade, Correspondente / Genebra, O Estado de S. Paulo

01 de novembro de 2016 | 11h28

GENEBRA - Numa resposta dura ao Brasil, a chanceler da Venezuela, Delcy Rodríguez, declarou nesta terça-feira, 1º, em Genebra, que não reconhece o governo de Michel Temer e , portanto, a cobrança do Itamaraty na ONU para que haja uma retomada do processo de referendo revogatório do mandato de Nicolás maduro não será considerada.

"Houve um golpe de Estado no Brasil, que substituiu a vontade de 54 milhões de pessoas que votaram em Dilma Rousseff. Por isso, o pedido do Brasil é um descaramento", disse ao Estado. "Esse governo golpista é formado por um grupo de corruptos. É um governo vergonhoso para a nossa América."

Antes, para a imprensa internacional e venezuelana, a ministra criticou o Brasil de forma direta e deixou claro que as recomendações do Itamaraty sequer serão examinadas. "Há um golpe no Brasil. Não reconhecemos o governo de facto do Brasil, portanto não temos qualquer tipo de relação e não consideramos suas observações", disse. 

Além do Brasil, os Estados Unidos também pediram a retomada do referendo. "No caso dos EUA, o país menos democrático do mundo e que tem presos políticos e pobreza, é amoral que fale sobre Venezuela. Eles teriam de lavar muito a boca antes de falar da Venezuela", completou Delcy.

Já sobre o apelo de dezenas de países para que a Venezuela aceite inspeções da ONU, a chanceler deixou claro que isso não iria ocorrer por enquanto. "Só quando os relatores não tiverem uma posição parcial", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.