Cocaína ainda rende até US$ 300 milhões a rebeldes

Apesar das baixas entre os rebeldes, a cocaína ainda sustenta a guerra na Colômbia rural. Por todo o país, as Farc ainda arrecadam entre US$ 200 milhões e US$ 300 milhões por ano cobrando impostos dos produtores de coca e coordenando as redes de tráfico de cocaína, de acordo com Bruce Bagley, especialista em combate às drogas que leciona na Universidade de Miami.Esse número é inferior aos US$ 500 milhões arrecadados pelo grupo anualmente no início da década, mas ainda é o bastante para financiar as Farc após as recentes deserções e baixas que reduziram seus combatentes de cerca de 17 mil para 9 mil rebeldes. "As Farc e outros grupos sobreviverão enquanto o dinheiro do narcotráfico fluir", disse Bagley.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.