Zacarias García/Efe
Zacarias García/Efe

Colégios eleitorais abrem para eleições legislativas no Marrocos

Serão eleitos 395 deputados da Câmara de Representantes entre 30 partidos que concorrem

25 de novembro de 2011 | 11h25

RABAT - Mais de 38 mil colégios eleitorais no Marrocos abriram nesta sexta-feira, 25, as portas às 6h (de Brasília) para as eleições legislativas antecipadas.

Os 13,6 milhões de eleitores poderão votar até às 17h (de Brasília) para eleger os 395 deputados da Câmara de Representantes (Câmara Baixa) entre os 30 partidos que concorrem nas eleições.

Para o pleito, o país foi dividido em 92 circunscrições, que elegerão 305 deputados, somados a outras 90 cadeiras, das quais 60 são reservadas para mulheres e 30 para jovens, inscritos em uma lista nacional (circunscrição única).

Das 1521 listas apresentadas nas diferentes circunscrições, 64 são lideradas por mulheres, o que representa 3,75% do total.

As eleições marroquinas são baseadas em um sistema proporcional de listas fechadas. O teto para chegar à Câmara foi estipulado em 3% dos votos.

Os partidos políticos recorreram a vários símbolos para facilitar o voto aos analfabetos, como uma espiga de trigo, cavalo, barco, livro, leão, camelo, trator, lâmpada, entre outros.

Três partidos de extrema-esquerda, o movimento islâmico proibido Justiça e Caridade e o 20 de Fevereiro boicotaram as eleições, as primeiros após a aprovação da nova Constituição, em 1 de julho.

Embora as pesquisas eleitorais sejam proibidas por lei, três partidos despontam como possíveis vencedores: o Partido islâmico Justiça e Desenvolvimento (PJD), o partido nacionalista Istiqlal (PI), que ganhou as eleições de 2007, e a coalizão liberal recém- formada e liderada pelo partido Reagrupamento Nacional de Independentes (RNI).

A campanha eleitoral, que começou em 12 de novembro e terminou na quinta à noite, transcorreu em relativa normalidade e sem incidentes maiores.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.