Colégios eleitorais abrem para eleições presidenciais na Áustria

Pesquisas apontam que Heinz Fischer pode se reeleger com cerca de 80% dos votos

Efe,

25 de abril de 2010 | 06h49

VIENA - Os colégios eleitorais da Áustria abriram neste domingo, 25, suas portas para os 6,36 milhões de austríacos convocados a escolher seu presidente por um mandato de seis anos.

As pesquisas dão por segura a reeleição do atual chefe de Estado,Heinz Fischer, com cerca de 80% dos votos. A maioria dos colégios eleitorais permanecerá aberta por dez horas, desde às 7h até às 17h (horário local). Em algumas pequenas localidades o horário é menor, enquanto três colégios abriram umas duas horas antes.

Fischer, um político social-democrata de 72 anos, espera que uma maioria arrasadora premie sua gestão na chefia do Estado nos últimos seis anos, marcada por seu estilo moderado, respeitoso das instituições e inclinado à busca do consenso.

Seus únicos dois rivais, a deputada ultranacionalista Barbara Rosenkranz e o católico conservador Rudolf Gehring, estão longe de significar um sério desafio para o chefe do Estado.

Mas no caso de Barbara, de 51 anos e mãe de dez filhos, a votação refletirá quantos austríacos são conquistáveis com um discurso nacionalista e de uma ambígua nostalgia do nazismo.

A deputada lançada pelo opositor e ultranacionalista Partido Liberal deve ficar com cerca de 15% dos votos.

Menos ainda, com no máximo 6%, obteria Gehring, um aposentado de 61 anos praticamente desconhecido, que se reconhece como "católico fundamentalista", com posturas contra o aborto e a homossexualidade.

Diante da pouca possibilidade de ganhar do presidente interino, tanto o Partido Popular, parceiro dos social-democratas na coalizão governante, como os ecologistas opositores ("Verdes") desistiram de apresentar um candidato próprio, o que abre ainda mais o caminho à reeleição de Fischer.

Assim, de acordo com os institutos de pesquisas, o único que pode obscurecer sua vitória seria uma baixa participação nas urnas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.