Colégios eleitorais dão início a pleito legislativo na Tailândia

Os colégios eleitorais da Tailândia abriram hoje suas portas para que a população do país participe das eleições legislativas convocadas antecipadamente pelo primeiro-ministro, Thaksin Shinawatra, com o objetivo de acabar com a campanha promovida pelos grupos que pedem sua renúncia. Shinawatra afirmou, durante a campanha eleitoral, que renunciará ao cargo de primeiro-ministro caso seu partido Thai Rak Thai, de caráter nacionalista, não obtenha metade dos votos no pleito. As eleições legislativas estão sendo realizadas em meio a uma crise política e ao boicote dos três maiores partidos da oposição, o Democrata, o Chart Thai (Nação Tailandesa), e o Mahachon, que decidiram não apresentar candidatos em protesto pela negativa de Shinawatra de assumir o compromisso de fazer emendas à Constituição. O boicote pode fazer com que das urnas não saia escolhida a totalidade dos 500 membros do Parlamento, um requisito estabelecido pela legislação para que a formação do Governo possa ter início. O partido de Shinawatra se apresenta sozinho em pelo menos 260 circunscrições eleitorais das 400 existentes na Tailândia. O pleito ocorre dois meses depois de vários protestos por parte de grupos que compõem a Aliança do Povo para a Democracia, que acusa o primeiro-ministro de corrupção, abuso de poder e nepotismo. Cerca de 45 milhões de tailandeses, de uma população total de quase 64 milhões, têm direito a voto nos colégios eleitorais, que abriram suas portas às 8h locais (22h de Brasília deste sábado) e têm previsto encerrar a votação sete horas depois. A Comissão Eleitoral espera anunciar os resultados provisórios do pleito nas primeiras horas desta segunda-feira. Nas eleições legislativas realizadas há apenas 14 meses, o Thai Rak Thai obteve 376 cadeiras no Parlamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.