Cólera no Haiti começou em base da ONU, diz estudo

Contrariando a Organização das Nações Unidas (ONU), cientistas da França confirmam que o surto de cólera no Haiti surgiu dos acampamentos de tropas de paz das Nações Unidas no país caribenho. A conclusão faz parte de um estudo conduzido por especialistas franceses a pedido de Paris e entregue ontem à ONU. Pelo menos 2 mil pessoas já morreram no Haiti por causa da doença e outras 90 mil foram infectadas.

AE, Agência Estado

08 de dezembro de 2010 | 08h03

A constatação é que o surto de fato teve início na base nepalesa das tropas internacionais que, por sua vez, são comandadas pelo Brasil. Por semanas, a ONU e a Organização Mundial da Saúde vinham afirmando que tinham feito testes e não havia nada que comprovasse as acusações.

A suspeita de que a cólera teria sido trazida pelos soldados causou violência e até mortes. Mesmo assim, a ONU preferiu insinuar que se tratava de uma estratégia de gangues e grupos de oposição para impedir que as eleições presidenciais ocorressem, há duas semanas.

Agora, o estudo feito concluiu o que muitos temiam na ONU. A doença de fato foi primeiro registrada na base nepalesa e dados científicos provariam isso. A rapidez da proliferação da doença a partir do centro do Haiti e o fato de que ela simplesmente não existia no país por mais de um século é o que levaram os investigadores a buscar explicações "externas".

Outra conclusão é a de que a água do Rio Artibonite foi contaminada depois que uma quantidade substancial de esgoto dos banheiros da base foram escoados pelo rio. Ontem, a ONU insistia que não havia ainda uma prova final sobre as acusações. No entanto, a ONU admite que recebeu uma cópia de um relatório do governo francês sobre o assunto, mas não quis fazer comentários. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
HaiticóleraorigemONUbase

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.