Imagem Ian Bremmer
Colunista
Ian Bremmer
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Cólera nos emergentes

Em junho de 2013, as autoridades em Istambul ordenaram a derrubada das árvores de um bosque onde seria construído um novo centro comercial, o que levou dezenas de manifestantes a protestarem no centro da cidade. A resposta violenta da polícia atraiu mais pessoas. A violência continuou e em questão de dias mais de um milhão de cidadãos foram para as ruas das cidades em todo o país. Naquele mesmo mês, o anúncio de um aumento de 7% nas passagens de ônibus em São Paulo também provocou protestos. E a dura reação da polícia provocou mais manifestações. Em dias, mais de um milhão de pessoas ocuparam as ruas das cidades em todo o país.

IAN BREMMER, O Estado de S. Paulo

08 de novembro de 2015 | 03h00

Em pouco tempo, dois dos mais promissores mercados emergentes do mundo foram sacudidos por uma alarmante explosão de cólera da sua população. Os manifestantes acusavam o governo de agir sem ouvir a opinião pública. As autoridades eleitas acreditavam que tirar pessoas da pobreza fosse o suficiente para assegurar sua popularidade. Estavam erradas.

Nos últimos dois anos, Brasil e Turquia descambaram para o caos político mais profundo. O presidente turco Recep Tayyip Erdogan obteve uma vitória surpreendente nas eleições da semana passada e o seus ataques frontais contra inimigos políticos, reais e imaginários, continuarão. Hoje, o país está profundamente polarizado e podemos esperar novos confrontos políticos que desviarão os responsáveis do governo de reformas econômicas muito necessárias em 2016. Erdogan continuará a fazer campanha por mudanças na Constituição que lhe garantiriam maior poder político. Líderes oposicionistas e rivais dentro do seu próprio Partido da Justiça e Desenvolvimento aguardarão uma oportunidade de contestá-lo. 

E podemos esperar mais protestos. A polícia reagirá com força, aumentando o riscos de os protestos se tornarem sangrentos.

A presidente Dilma Rousseff, hoje, está fortemente pressionada por uma economia frágil e um escândalo de corrupção que envolve um amplo segmento da elite política do Brasil e a Petrobrás. Há uma década, os preços historicamente altos das commodities que o país produz impulsionaram o crescimento brasileiro, mas o governo não reinvestiu suficientemente as receitas inesperadas nem atraiu o investimento externo necessário para corrigir a péssima infraestrutura do país. 

A corrupção desenfreada e as oportunidades perdidas de oferecer para a classe média expandida melhores serviços públicos tiveram um impacto negativo e, agora que os preços das commodities caíram, o crescimento desacelerou e a corrupção ficou exposta.

No longo prazo, há boas razões para manter otimismo sobre os dois países. Na Turquia, Erdogan continuará a resistir de modo contundente às críticas e aos protestos, mas ele não é Vladimir Putin e a Turquia não é a Rússia. Seu partido reconquistou a maioria parlamentar que perdeu pela primeira vez há um ano, mas com menos de 50% dos votos. Ele jamais conseguirá o controle das instituições de governo, da mídia, dos tribunais e dos partidos de oposição como deseja. E também importante, sua maior realização – quase triplicando a renda per capita da Turquia e expandindo o motor de crescimento econômico para o vasto interior da Anatólia – sobreviverá a ele. 

No Brasil, os protestos continuarão e Dilma jamais será tão popular quanto seu mentor, Luiz Inácio Lula da Silva. O escândalo da Lava Jato colocará fim às carreiras de muitos indivíduos poderosos no Brasil e poderá até levar ao impeachment de Dilma. Mas os promotores de justiça e a mídia terão maior liberdade no futuro para romper com a cultura de corrupção do país.

Inevitavelmente, serão realizados os tão necessários investimentos em infraestrutura, o grande obstáculo ao desenvolvimento do país. Como na Turquia, algumas das realizações do partido no poder serão irreversíveis. Milhões de pessoas saíram da pobreza. 

Não há muito o que esperar de ambos nos próximos dois anos, mas Brasil e Turquia enfrentam hoje as crises de que necessitam para empreender mudanças positivas duradouras necessárias para suas economias realizarem seu potencial em longo prazo.

Tudo o que sabemos sobre:
IAN BREMMERIstambulTurquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.