Cólera se propaga em prisão do Haiti, diz Cruz Vermelha

GENEBRA - A epidemia de cólera que atinge o Haiti chegou aos internos da prisão nacional do país em Porto Príncipe, onde já matou dez pessoas nos últimos quatro dias, advertiu hoje a Cruz Vermelha. Por volta de 30 presos foram infectados pela doença, informou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, em Genebra.

Agência Estado

19 de novembro de 2010 | 12h20

 

Veja também:

linkProtestos contra a ONU se intensificam

linkCólera atingirá pico em duas ou três semanas

linkMédicos falam em colapso por conta de protestos

mais imagens Olhar sobre o mundo: O drama da cólera no Haiti

 

Os casos são especialmente preocupantes porque a prisão, onde vivem 2 mil detentos, está superlotada, informou um porta-voz da Cruz Vermelha, Marçal Izard. As autoridades haitianas e a Cruz Vermelha "trabalham sem descanso para que a prisão seja segura", segundo o funcionário.

 

Enquanto isso, após três dias de protestos violentos no norte do Haiti, os ataques contra as forças da Organização das Nações Unidas (ONU) se disseminaram ontem para Porto Príncipe. Os manifestantes acusam soldados nepaleses da ONU de levar a doença ao país, o que a força internacional nega. Já morreram mais de 1.100 pessoas na epidemia de cólera no Haiti e mais de 18 mil foram hospitalizadas. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Cruz VermelhaHaiticólerasaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.