FELIPE CORAZZA/ESTADAO
FELIPE CORAZZA/ESTADAO

Coleta de alimentos para venezuelanos antes de romaria

O servidor público Roberto Carvalho recolhe e distribui doações com caminhão emprestado do irmão

Felipe Corazza, Enviado Especial / Boa Vista e Pacaraima, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2016 | 05h00

O feriado de Nossa Senhora Aparecida motivou um grupo de voluntários ligados à Igreja Católica de Roraima a organizar uma coleta de alimentos para os refugiados venezuelanos que vivem pelas ruas da capital. Antes da romaria em homenagem à padroeira do Brasil, um caminhão recebia donativos de arroz, bolachas e outros gêneros alimentícios. 

O grupo distribuía a comida nas ruas mesmo, já que não há centros oficiais de acolhimento para os venezuelanos. O funcionário público municipal da capital Roberto Carvalho foi o responsável por conseguir o veículo e organizar o reparte da comida após a coleta. “Já encontrei grupos de 40 e até 50 venezuelanos juntos na rua. Eles não têm nada, alguns comem só pão”, afirma o voluntário.

A filha de Carvalho, que é estudante de medicina na Argentina, participa de grupos de auxílio a moradores de rua em Buenos Aires. A ideia o inspirou a fazer o mesmo. Utilizando o caminhão emprestado pelo irmão, ele comanda a coleta e distribuição de mantimentos aos refugiados.

Integrante do Centro de Migração e Direitos Humanos da Diocese de Boa Vista, Telma Cristina Lago dos Santos afirma que um dos problemas é a hostilidade de parte da população em relação aos refugiados. “Estamos lutando muito para demonstrar a necessidade de nos solidarizarmos com eles”, afirmou Telma.

As necessidades são “de todos os tipos”, disse. “(Eles precisam de) alimentação, moradia, trabalho, documentação. A situação é de ajuda humanitária”. 

Carvalho, enquanto organiza os víveres no caminhão, emite opinião semelhante. “Eles estão aí pela rua e muita gente já os aborda com violência. Quando eles mais precisam de nós, vamos fazer isso, agir dessa forma? É preciso ajudar.”

Quanto à hostilidade, o voluntário acredita que, em parte, é uma reação ao tratamento dado a brasileiros por autoridades venezuelanas na fronteira. Carvalho relata que amigos já foram detidos por guardas de fronteira durante horas em tentativas de extorsão. Ele acrescenta que também houve o caso do próprio irmão, que teria sido detido quando viajava a Puerto Ordaz, no país vizinho. Os guardas, segundo ele, teriam roubado R$ 60.

Os venezuelanos que conseguem uma permissão junto à Polícia Federal, na fronteira, para seguir viagem até Boa Vista ou Manaus podem permanecer legalmente no País por até 90 dias – período prorrogável por outros 90 dias. 

Para a prorrogação do prazo, no entanto, eles precisam apresentar comprovação de hospedagem. Nem todos pedem permissão. Muitos simplesmente atravessam a fronteira a pé ou de carona e, a partir de Pacaraima, conseguem pagar pela viagem de táxi ou ônibus até as cidades onde têm mais possibilidade de encontrar algum emprego informal. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.